Pular para o conteúdo principal

Entrevista com Will Yamaguchi, artista e maker @ Pixel Show 2017


No comecinho desse mês de dezembro eu fui à Pixel Show, a maior conferência internacional de criatividade, e, além de conhecer os trabalhos de muitos artistas, eu adquiri algumas artes e especialmente um quadro lindo que o Will fez. :) E, sem mais delongas, com vocês, eu passo a palavra a ele nessa entrevista. 

O que a Pixel Show representa para você?

O maior evento relacionado à área de criativos do Brasil e uma oportunidade para artistas, designers, quadrinistas etc. mostrarem suas caras ao público de todo o Brasil.

Foi a primeira vez em que você participou da Pixel Show como maker? Como é a sensação de ser escolhido para tal?

Sim! Essa foi a primeira vez que participo! A sensação sempre é de que seu trabalho foi reconhecido por alguém, sabe? É bem gratificante esse primeiro momento na seleção.

O que você achou de mais especial na Pixel show desse ano de 2017?

Primeiro, o público em geral, pessoas de áreas profissionais e geográficas distintas reunidas pela vontade de aprender, conhecer e participar. E segundo, o espaço em si, com toda a diversidade de grandes e pequenos, artes visuais, música e tecnologia. 

Antes de continuar com as perguntas sobre a Pixel Show, bem, fale um pouco, ou muito, você que sabe, sobre você e sua arte. Tipo, como começou, quando, a estrada até hoje, planos para o futuro etc.

Me chamo Willian Yamaguchi, tenho 22 anos, sou de São Paulo e como quase todo ilustrador diz, sempre gostei de desenhar desde pequeno; mas foi só depois que eu saí do colegial que resolvi que queria trabalhar com isso.

Demorei a entender e entrar no mercado, quebrei muito a cara com clientes que pagavam muito mal ou nem pagavam, simplesmente desapareciam.

Desanimei nesse começo e decidi procurar trabalhos fixos como designer, ilustrador e arte finalista. Assim, com um pouco mais de experiência voltei a fazer meus freelas.

Atualmente estou trabalhando em uma produtora como motion designer, estudando animação no CAV* e produzindo uma HQ chamada Assoalho, que logo mais quero colocar em alguma plataforma de financiamento coletivo, como o Catarse.

(Centro do audiovisual de São Bernardo do Campo)*

Você acha que as pessoas realmente estão se conscientizando mais e #comprandodequemfaz muito mais do que há uns 10, 5 anos? O que você acha do panorama artístico no Brasil para aqueles que (pelo menos ainda) não têm um “grande (re)nome”. 

A facilidade de “se vender/ser conhecido” hoje é muito maior devido à internet. Os eventos de publicações independentes são bem recorrentes e por mais que estejam localizados principalmente na capital, estão surgindo várias feiras em cidades menores e em bairros mais afastados do centro. E esses dois fatores facilitam demais as coisas para quem quer se expressar e começar a mostrar o seu trabalho.

Voltando à Pixel Show. O que você acha que a feira representa para o Brasil e os artistas e criadores de modo geral?

A feira é uma grande mistura de tudo, então ela representa vários tipos de pessoas, interesses e pensamentos. De um modo geral: diversidade. Para os criadores, o contato com pessoas do Brasil todo. Para o público, o contato com diferentes estilos, artistas e processos. O mais legal de ser visitante é que o evento é tão grande que sempre se acaba encontrando algo diferente, algo a mais que o esperado. 

O que você espera da Pixel Show de 2018?

Bom espero conseguir participar e levar meus projetos novos.
E que tenha um feedback tão bom quanto em 2017.

O quanto você acha que as redes sociais ajudaram a mudar a forma como as pessoas veem os artistas e adquirem os trabalhos deles com mais facilidades nesses últimos 5 anos?

As redes sociais são a oportunidade de acompanhar de perto processos de produção, também facilitam o contato e a venda em lojas virtuais ou mesmo apenas conversando em um chat.

Para nós, é ótima a velocidade que temos um feedback. Sempre ajuda muito!
 
Uma pergunta aleatória porque sim. Star Trek, Star Wars ou ambos? Ah, sim, duas! Digimon, Pokémon ou ambos? xD

Sempre fui fã doente de Star Wars e de Pokémon. 

Você pode fazer um sketch e fotografá-lo especialmente aqui para os leitores do  Bagulhos Sinsitros?




Arte digital, tradicional ou ambas?
Ambas! Tradigital 

Uma mensagem para quem está começando a tentar “vender sua arte”. 

Tem que dar uma de bom aluno! Pergunte muito sobre tudo que você não souber para quem já está no mercado! Isso diminui os riscos de gastos desnecessários, de fazer muita coisa errada e de frustrações gigantescas.

Você tem algumas fotos de seu trabalho para compartilhar conosco? Pode também deixar seus contatos de redes sociais para quem estiver interessado em adquirir seus trabalhos? Além disso, você envia para o Brasil todo? Só pessoalmente? Envios internacionais?  
Obrigada pela entrevista. 






Estou começando agora com essa parte de envios, é algo novo para mim ainda.
A ideia é conseguir enviar até internacionalmente, chegar nesse nível seria muito gratificante.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …