Pular para o conteúdo principal

Crítica do filme: Viva - A vida é uma festa, um filme de Lee Unkrich, vencedor do Oscar de melhor animação (Disney/Pixar)

Quase todas as críticas que li depois de assistir a esse belíssimo filme citaram “Festa no céu”, de 2014, da Fox como um filme similar… muitos até mesmo desmerecendo a nova animação da Disney/Pixar por isso. O que faz tanto sentido quanto dizer que todos os filmes sobre alguma história de Natal são a mesma coisa e todas as animações japonesas sobre yokai também o são. 

Na verdade, falando em animação japonesa, em termos comparativos, uma crítica mencionou “A viagem de Chihiro”, o que realmente faz um pouco mais de sentido. Um dos focos principais de “Festa no céu” é o  amor entre um homem e uma mulher. Sim, também fala da dúvida entre seguir as expectativas da família ou seguir o coração e tem o lance da música. E tem o mundo dos vivos, dos esquecidos e dos lembrados. Mas isso faz parte da cultura mexicana - e, por muitas críticas que vi, parece que o filme da Pixar agradou bastante aos mexicanos pelo respeito com que abordou a cultura deles. Tirando esses elementos, os dois filmes são completamente diferentes (eu, particularmente, gostei de ambos, mas as cordas do meu coração que “Viva - A vida é uma festa” tocou vibraram com um som mais profundamente marcante .) Além dos temas em comum com muitas animações para a família, as cordas tocadas por essa animação da Disney/Pixar são meio que únicas, e podem induzir às lágrimas logo no começo… 


Mas, voltando às comparações… tanto “A viagem de Chihiro” quanto “Viva - A vida é uma festa” abordam uma viagem por um mundo espiritual e por meio dessa jornada, a criança que é a protagonista evolui, em ambas as animações,  aprendem muita coisa e crescem. No entanto, as mensagens individuais desses três filmes são bem diferentes. 


No México, o Día de los Muertos é uma festa que celebra a vida, e a partir disso é interessante notar como os títulos do filme da Fox e da Pixar em português incluem a palavra “festa”. Curiosidades: O título original de “Festa no céu” é “The Book of Life”, e o Livro da Vida, presente no filme, contém várias histórias, entre elas aquela baseada nas tradições mexicanas, envolvendo os três mundos que citei acima. Já “Viva - A vida é uma festa” segue um pouco a tradição de títulos adaptados como “Zootopia: Essa cidade é o bicho”, “Sing - Quem canta seus males espanta”, entre outros. O título original do filme da Pixar é “Coco”, que seria o apelido da vovó, chamada Socorro, no original que tem um papel importantíssimo no filme. Dá para entender por que no Brasil foi mudado, não?

Voltando… ambos têm a palavra festa no título em português, o que faz muito sentido, pois, como falei, o Día de los Muertos é uma festividade, com músicas, comidas e muitas cores, uma celebração antiga que já ocorria antes da chegada dos espanhóis na América. Se aqui no Brasil a palavra de ordem no Dia de Finados parece ser a melancolia, lá ocorre o oposto. 


Então, tendo isso em vista, o filme em si não é mórbido. Alguns temas, sim, são inquietantes. Não vou colocar spoilers aqui, mas alguns temas podem parecer pesados para os menos acostumados a pensar na morte. Ser esquecido, ser lembrado, famílias, memórias e mal-entendidos, coisas que podemos literalmente levar para o túmulo sem resolução… Mas esses temas só parecem pesados para alguns porque meio que somos levados a temer a Morte. 

Para uma fã de Neil Gaiman e de Sandman e da Morte, sua irmã mais velha, como eu... bem, eu já vejo as coisas de forma diferente. Mas ainda hoje várias pessoas se assustam ao notarem que uso o “Death” no meu nome. Muitos associam caveiras a coisas “do mal” (Oi? O próprio símbolo de perigo, não?), mas o que temos por baixo da pele senão caveira e ossos e cartilagens e tudo o mais? O que todos nós temos, os pontos em comum. Como nesses filmes, são as singularidades que fazem toda a diferença. 

Encarar nossa mortalidade pode ser assustador, sim. Mas é essa mesma mortalidade que torna a vida algo a ser vivido ao máximo, o que o título em português praticamente nos manda fazer: viver. 

Em termos de animação, é incrível o uso das cores, das texturas das peles, dos vincos e das nuances, uma beleza que encanta muito, tal como já tínhamos visto em “Moana - Um mar de aventuras”. O realismo na água então, fantástico. Ao contrário do galo  em Moana, o cachorrinho bobão não me cansou em momento algum, pelo contrário, me fez rir muito. E ele não é irrelevante e apenas um alívio cômico na história. Embora ele seja cômico, e muito.  E não creio que ele se chame Dante à toa... hehe ;)



Alegrando os olhos com beleza e cores, puxando várias cordas de nossos corações e torcendo-os, “Viva - A vida é uma festa” é um filme encantador e que fala tanto às crianças quanto aos adultos. Que mostra como podemos estar errados e que ser cabeça dura pode levar a mais erros e tristeza, e que não há problema algum em perdoar, nem em admitir erros, mesmo estando relutantes a princípio. E nos lembrando do Memento Mori. Bem lembrado em obras diversas, como em Game of Thrones com seu Valar Morghulis e na mais recente série do Justiceiro no Netflix, cuja season finale se chama justamente Memento Mori. Apesar do final “feliz”, digamos assim, “Viva - A vida é uma festa” é um filme agridoce. Mas que nos lembra de que viver é mais do que apenas existir. 

Lembre-se de que você é mortal. Lembre-se de que você vai morrer e de que, sim, um dia todos esquecerão você. Por isso mesmo, até, lembre-se de viver. 

Nota: 5 de 5 Catrinas. 

Ps.: O filme já faturou o Globo de Ouro de melhor animação. 
E, como vocês podem ver aqui, a ideia da Dinsey/Pixar de fazer um filme sobre o Día de los Muertos que se passa no México é beeeem antiga e foi anunciada faz tempo. 




Bônus: O Almoço de Dante - Um Conto Curto





Fonte da imagem 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …