Pular para o conteúdo principal

Crítica do filme: Jumanji - Bem-vindo à selva



Welcome to the jungle we got fun and games 
We got everything you want honey, we know the names 
We are the people that can find whatever you may need 

Logo que vi o primeiro trailer de “Jumanji - Bem-vindo à selva”, eu pensei: legal. Tem Jack Black, Dwayne “The Rock” Johnson e Karen Gillan. Também pensei: deve ser legalzinho. Aí me perguntei: Poxa, eles mostram mesmo todas as piadas no trailer? Aí o filme entrou em cartaz e eu fui vê-lo. Quais não foram as boas surpresas, huh?

Em primeiro lugar, devo dizer que essa sequência do clássico de 1995 é puro entretenimento com algumas pinceladas de mensagens bonitinhas sobre amor, amizade, aceitação de diferenças, superação, entre outras. É divertido. Bem divertido. Mas se você for assistir ao filme esperando por alguma revelação suprema ou mensagem mais que profunda, muito provavelmente vai se decepcionar. Se encarar o filme pelo que ele é: divertido, cheio de ação e até mesmo um filme que tece comentários metalinguísticos sobre os próprios filmes e os clichês tantos deste quanto de videogames (a garota fodona com trajes de menos, o cara musculoso que praticamente não tem falhas, o total overpowered, entre outros) e seus estereótipos, provavelmente vai se divertir e sair sorrindo do cinema. Como O rei do show, Jumanji - Bem-vindo à selva entra no grupo dos filmes feel-good, em que as atuações e o carisma dos atores conseguem dar ainda mais sangue para as piadas que podem às vezes ser muito óbvias, mas que acabam se saindo muito bem de modo geral durante o filme. E tem bem mais piadas divertidas do que no trailer. 

Nessa sequência, a versão de Jumanji, o jogo, é um videogame, e não um jogo de tabuleiro. Mas também não é nenhum videogame de última geração. Apesar do ressurgimento dos jogos de tabuleiro atualmente, convenhamos que hoje em dia se joga muito videogame. Jogos online. E alguns consoles “antigos” foram até relançados recentemente, muito impulsionado isso pelo saudosismo das pessoas. Não entrando em nenhuma discussão filosófica sobre jogos eletrônicos, sejam eles online ou no console, versus jogos físicos/offline, para a trama, funciona muito bem isso de ser sugado para dentro de um videogame. O que me lembrou Sword Art Online, a propósito, apesar de serem duas obras completamente distintas em si, mas que têm aquilo de “se você morrer no jogo, morre na vida real”. Para quem curte videogame também é uma boa pedida, pois reflete as situações que um player enfrenta.
Com algumas referências ao original, sim, essa sequência (e não reboot) não se apoia pura e simplesmente neste, nem apenas na nostaliga e no saudosismo, mas sim tenta extrair risadas e até mesmo algumas lições de vida dos próprios clichês com que brinca. Para mim e para muita gente, parece que funcionou. Imersos na beleza e nos perigos da selva de Jumanji, nos divertindo com as repetições dos NPCs de seus textos gravados, entre muitos outros pontos fortes, fazem deste filme uma sequência bem-vinda. Bem-vindo ao grupo dos filmes sequenciais que não são um saco. Bem-vindos sejamos à selva, onde temos diversão e jogos! 

Bônus: Sim, Welcome to the Jungle do Guns toca no filme, não só no trailer, e é um toque de saudosimo muito "bacaninha" (gíria velha. entendedores entenderão. especialmente os que já viram o filme hehe)


E, se bater a saudade do original… É só revê-lo :3 Tem na Netflix.

Nota: 3 vidas e meia (de 5)

Comentários

  1. É interessante, certo? Eu também pensei que era uma boa produção. É um ótimo filme porque combina comédia, ação, aventura e um pouco de romance. Eu gostei muito. Eu acho que o sucesso de Jumani Bemvindo A Selva é muito devido ao grande elenco, é bastante reconhecido por seu excelente trabalho. Eu particularmente adorei o desempenho de Jack Black, já que ele é quem, sem dúvida, acrescenta um toque de brilho à história. Eu definitivamente recomendo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Popular

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…