Pular para o conteúdo principal

Resenha da HQ Teoria, de Klewerton Bortoli




Na CCXP, foi muito difícil resistir a adquirir alguma coisa do Artist’s Alley (Beco dos Artistas). Além de alguns prints, adquiri Teoria, uma HQ independente de Klewerton Bortoli, que surgiu com a aplicação do autor de sua pesquisa de TCC desenvolvida no curso de Design da Universidade Federal de Santa Catarina, visando a desenvolver uma HQ por meio da exploração da linguagem onomatopeica como recurso gráfico narrativo, com a aplicação de conceitos e fundamentos do design no desenvolvimento das onomatopeias e sua aplicação nas páginas. 

E então, será que eu curti o resultado? 



Sem diálogos, toda em preto e branco com alto contraste e um traço belíssimo, num estilo de que gosto muito, a história fala de paranoia e é toda feita com base em onomatopeias, sem diálogo. Isso mesmo. 

Como mencionei lá no Instagram do blog,, estou vendo a série Deuses Americanos, e uma coisa que pude notar nessa adaptsção do livro de Neil Gaiman foi como é potente isso de realçar os sons do nosso dia -a-dia. O bater de martelos, a respiração, o som de spray, os sons de moscas e coisas cotidianas criam um tom que beiram quase o terror se bem usados. E, em Teoria, as onomatopeias, aliadas às expressões de medo, paranoia, susto e tudo o mais no transcorrer da história são simplesmente incríveis. 

Os detalhes nas imagens, a obsessão de nosso personagem principal com gatinhos e o cúmulo de sua paranoia são simplesmente muito bem mostrados tanto em termos de imagens quanto de sons. É nessa conjugação de imagem e som que a história é contada. E vemos o que se deixa de aproveitar quando se pensa demais e se deixa de viver, já que vemos sim o lado do personagem, mas vemos como o olho do voyeur que só espreita o outro também. 


Como na citação antes de a história começar, é bem isso mesmo. O gato está vivo. Ou ele está morto. Não tem como saber se não abrir a caixa. Porém, às vezes, especialmente para um extremo paranoico, abrir a porta de seu apartamento pode ser o equivalente a abrir a caixa de Pandora. Sombras do medo, fantasmas da imaginação, tudo isso é abordado nessa singela história, curtinha, interessante e incrível, que deixa aquele gostinho de quero mais. (Spoiler: vem mais história por aí, yay! Venha, Teoria II!)



E a pergunta que não quer calar: Onde está o gato?

Nota: 5 de 5 esparadrapos de gatinhos =^.^=

Ficou interessado? Curioso? :P 

Entre em contato com o autor: Site/Portfolio Instagram

Bônus: Veja e... especialmente, ouça o trailer da HQ xD {Você também entra em paranoia quando toca a campainha? hehe}



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …