Pular para o conteúdo principal

Star Wars: Universo Expandido * Algumas considerações (e por onde começar a trilhar esse Universo)

Há muito tempo, em uma galáxia muito, muito distante, Star Wars foi um estouro e, além de seus seis filmes produzidos por George Lucas, foram lançados livros, quadrinhos, games e áudios, todos licenciados e conhecidos como Universo Expandido. Com histórias ricas, esse universo tratava tanto de eventos que ocorriam após o Episódio VI, além de vários outros, como o inicio de tal universo e da ordem Jedi, além do que acontecia entre os filmes.

Universo este pouco conhecido, mas amado, até que aconteceu uma coisa terrível para seus fãs... a Disney comprou a franquia. Ué?!!! Não seria interessante para os fãs esta compra já que seria possível ver as histórias deste universo nas grandes telas? Era o que todos imaginavam que aconteceria até a Disney falar que não valeria mais o Universo Expandido e que ela lançaria realmente novas histórias e uma nova trilogia. E o que recebemos? O Episódio VII, que, para mim, não passa de uma cópia do Episódio IV (sinceramente, se eu quisesse assistir o Episódio IV eu assistiria o Episódio IV, pelo menos o vilão é mais interessante, o trio é mais carismático e tem mais sentido o Império dominar a galáxia).
(Deixando claro que esta é a opinião da autora do post, não da dona do Blog. Beijo, Death!)

Disney: Luke acabei com o Universo Expandido!; Luke: Nããããoo!

A Disney não fez um trabalho ruim, estou gostando da nova trilogia e amo “Rogue One”, mas vou falar alguns pontos de porque gosto do Universo Expandido.
Trilogia Thrawn
Passados cinco anos após os acontecimentos do Episódio VI, nos deparamos com Thrawn, um grão-almirante que tenta restabelecer o poder do Império, enquanto a República, não tão forte, tenta se firmar no poder político intergaláctico.
Aqui a palavra chave é restabelecer. O Império sofreu um grande golpe, logo há dificuldade de restabelecê-lo. Thrawn é um gênio militar que descobre segredos que possibilitam a destruição da Aliança Rebelde e, por meio disso, a história continua. Mas o interessante aqui é que ambos os lados não estão poderosos e tentam se estabilizar.
Thrawn é um dos vilões mais carismáticos e querido pelos fãs, sua inteligência é única e, mesmo sendo uma personagem do Universo Expandido, ele será o vilão da animação Rebels, ou seja ele foi aceito para o universo Oficial, tornando-se canônico. (Tem lá no Netflix Star Wars: Rebels.)

Os Jedis
Os Jedis não foram todos destruídos nos eventos ocorridos no Episódio III, a Ordem 66 continuou ativa mesmo depois do Purgo Jedi. Em algumas histórias, acompanhamos esses sobreviventes que se escondem para que continuem vivos.
Já na Nova Ordem Jedi, temos seres sensíveis à força que são treinados por Luke, que tirou um tempo andando pela galáxia e os encontrou. Também foram acrescentados à Ordem integrantes de outras tradições da Força (sim, existem outros que utilizam a Força que não são Jedi nem Sith), além de integrantes da Antiga Ordem (e, psiu! Agora os Jedi podem se casar).

Nosso amado trio
Luke Skywalker se casou com Mara Jade, uma assassina de Palpatine que após a morte de seu mestre teve como ultima missão matar o Luke. Os dois tiveram um filho, Ben Skywalker (o verdadeiro, não a porcaria do Kylo Ren), na época da Invasão Yuuzhan Vong, logo não puderam cuidar dele. Por sentir a dor da guerra por meio da Força, Ben se fechou para ela por anos. Ben foi treinado por seu primo Jacen e, mais no futuro, tem um relacionamento romântico com uma Sith chamada Vestara Kai, a quem ele conheceu em uma missão para matar uma entidade que enlouquecia tanto Jedis como Sith.
Já Han e Leia tiveram três filhos: os gêmeos Jaina e Jacen Solo, e o mais novo Anakin Solo. Anakin morreu como herói. Jaina continua como Jedi. Contudo, Jacen caiu para o lado sombrio, fez um golpe de estado, matou Mara e torturou seu aprendiz, Ben Solo. No final, foi morto por sua irmã.
Jacen possivelmente é a inspiração para o Kylo Ren.
Invasão
A Invasão do Yuuzhan Vong realmente é um marco. Mesmo durando poucos anos, os Vong espalharam destruição pela Orla. Conquistando planetas e extinguindo raças, eles já planejavam conquistar a galáxia havia muito tempo antes e enviavam batedores que poucas pessoas sabiam existir (Palpatine era uma dessas). Conseguiram chegar ao coração da República e tentavam exterminar a Ordem Jedi.
Com tecnologia avançada e uma cultura singular, muitos dos armamentos dos Yuuzhan Vong foram utilizados por Sith em guerras futuras.
Luke sendo f*da


Legacy
Esse acho interessante comentar porque se passa mais no futuro e seguimos mais um Skywalker chamado Cade. Vivendo em uma galáxia liderada por um Lorde Sith (e advinha de quem é a culpa deste Lorde estar vivo? Isso mesmo, Obi Wan... mesmo assim, te amo, Obi!), Cade passa pelo problema de todo Skywalker, a possibilidade de ir para o lado sombrio da força.
Cade viu seu pai ser assassinado na sua frente, virou um caçador de recompensas e tem como espírito-guia o Luke. Também nesse arco as forças da Ordem Jedi são escassas e somos apresentados a uma raça que utiliza a Força sem ser Jedi. È um arco bem tenso também.
Cade delicinha...
E isso são só algumas histórias que ocorrem após o Episódio VI, temos as que ocorrem antes dos Episódios como as histórias dos Knights of the Old Republic que são super interessantes, ou outras histórias como do Ulic Qel-Droma (que corta meu coração). A verdade é, com a extinção desse Universo Expandido perdemos grandes histórias e que a decepção de alguns fãs com a nova trilogia da Disney tem lá no fundo certa razão.
Que a Força esteja com você!!!!
Artigo por: Dhuane Monteiro
Observação: Agora temos um Universo Expandido "oficial", digamos assim. Ou semi-oficial, já que a série Legends não é exatamente considerada canônica. Bem, eu ainda estou bem no começo disso de trilhar esse território inexplorado para mim, então ainda meio que vejo tudo isso como um mapa com muitos lugares ainda não abertos para mim. Então, para ajudar vocês que quiserem se iniciar também, eis alguns links para Um Breve Guia para o Mochileiro dessas Galáxias tão antigas e distantes! 

O novo cânone de Star Wars

THRAWN: A ASCENSÃO DE UM ESTRATEGISTA | UNIVERSO EXPANDIDO DE STAR WARS

 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …