Pular para o conteúdo principal

O que é ser humano? Comentários sobre o episódio Human Is, da série de TV Philip K. Dick's Electric Dreams


A sensação boa passada pelo episódio “Human Is”, de Philip K. Dick’s Electric Dreams perdura. Na palestra de Salvador Bayarr na Campus Party, em que ele falou sobre PKD, suas visões e sua obra e o impacto em nosso presente, o futuro dele, ele mencionou este episódio e, embora eu não tivesse amado o outro episódio que vi, Real Life, decidi assistir a esse e foi impressionante: embora eu já tivesse alguns spoilers sobre o episódio em si, por causa do que foi abordado na palestra, ele conseguiu realizar a tarefa de me surpreender. 

Lidando com o tema que permeia muito das obras de PKD, O que é ser humano?, “Human Is” mostra, de forma bela e tocante, que a muitos seres ditos humanos falta muito daquilo que se diz nos caracterizar: empatia, moral, ética e sensibilidade. 

Como é uma série antológica, você pode assistir aos episódios em qualquer ordem, e eu super indico esse. 

A atuação impecável de Bryan Cranston junto com a também incrível Essie Davis fizeram desse episódio algo ainda mais belo e pessoal. As emoções (e a falta dela) transbordam dos poros dos dois, transparecem em seus olhares, toques, nas menores atitudes em cena. O roteiro do episódio foi feito por Jessica Macklenburg, de Stranger Things! E contamos também com Liam Cunningham. O cast é excelente, o desenvolvimento do episódio é soberbo e eu confesso até que fiquei com receio de ver os outros, pois esse foi tão magicamente bom e belo que as altas expectativas depois desse episódio muito provavelmente diminuirão o impacto de qualquer outro episódio da série, por mais legal que possa ser. 

A narrativa é simples, vai direto ao ponto, ao mesmo tempo em que mexe com as emoções tanto em termos visuais quanto de palavras e ações. Não li o conto que deu origem a esse episódio, e o livro será lançado em breve pela Editora Aleph aqui. Porém, pelo que conheço do autor, esse episódio capta bem as ideias que sempre permearam as obras do autor. 

Se você quiser saber como a adaptação se compara ao original, clique aqui - mas devo avisar que o artigo (em inglês) contém spoilers sobre o conto e o episódio, portanto, clique por sua conta e risco e não diga que não foi avisado ehehe ;) No entanto, posso dizer que parece que Macklenburg deu ainda mais profundidade à história, mantendo a fidelidade à obra de PKD. 

Assisti ao episódio sabendo do plot twist e me encantei mesmo assim, e me surpreendi com a beleza e a qualidade do episódio do começo ao fim. Porém, vou parar por aqui para não entregar muito… sim, eu não falei quase nada sobre a história do episódio em si, vamos lá então. 

O ano é 2520. Os temas são, além do “o que é ser humano”, a guerra galática, a sobrevivência da Terra, casamento sem amor, intrigas militares, amor, relacionamentos abusivos, a forma como o "governo" invade cada nível das vidas pessoais, decidindo quem deve se casar com quem... e sexualidade. E toca também (e bem delicada e divinamente) em assuntos como a falta de plantas e frutas e quando alimentos como o morango são degustados… é um deleite. Seria bom se déssemos valor a essas “pequenas” coisas antes que elas fiquem extintas, não? Assim como a própria Humanidade, seja em termos metafóricos ou literais.

Nota: 5 de 5 morangos gordinhos e suculentos 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …