Pular para o conteúdo principal

Crítica do filme Lucky, um filme de John Carroll Lynch (com Harry Dean Stanton)



Agridoce, como consta na própria sinopse lá no Rotten Tomatoes, “Lucky” é um filme que me deixou mais com uma sensação boa do que triste, por incrível que pareça. Sendo um filme que fala sobre velhice e solidão, imaginei algo bem mais tétrico, mas não, o filme tem uma leveza que me impressionou bastante. Sendo um recorte na vida do protagonista, cujo apelido é Lucky, e que tem no elenco Harry Dean Stanton, do divino “Paris, Texas”, em "À espera de um milagre", como o personagem que dá nome ao filme, e David Lynch (que não tem parentesco com o diretor), este é um filme encantador em sua singularidade e em seu retrato da humanidade. 

A fotografia do deserto, as rugas e os vincos das peles dos personagens, a perfeita escolha da paleta de cores para o visual do filme tornam-no uma obra bela em termos técnicos tanto quanto em termos de história - um scrapbook do dia a dia de personagens em uma cidadezinha no meio do nada, em que praticamente todo mundo se conhece, a monotonia da vida e chamados a reflexões estão lá, mas em momento algum deixam o filme chato ou entediante, e, na verdade, embora o final tenha sido bem satisfatório, ficou aquele gostinho de quero mais, e digo isso porque aqueles personagens peculiares com suas vidinhas monótonas me encantaram, e isso é incrível. 

As conversas entre Howard, o personagem de David Lynch, e Lucky são algumas das melhores do filme, com todo seu teor filosófico e com toda sua carga emocional. Como Lucky é ateu, ele acaba pensando que, se vamos voltar ao nada (ele não acredita nem em alma), então é melhor passar a vida sorrindo. 

Melhor momento do filme: Harry cantando en español na fiesta, acompanhado pelos mariachis. Um tremendo de um evento em uma vida e em uma cidade em que tudo é tão pacato e rotineiro. 

Tanto o diretor quanto o roteirista afirmaram terem se inspirado na vida do próprio Harry Dean Stanton para fazer este que acabou sendo uma espécie belíssima de canto do cisne e homenagem ao ator nonagenário, que faleceu duas semanas antes de o filme ter sido lançado comercialmente, em 15 de setembro de 2017, em que o personagem principal, Lucky, começa a pensar e repensar sua vida e a morte depois de um desmaio aparentemente do nada. Excêntrico, sortudo - afinal, sobreviveu à Segunda Guerra, fumou a vida toda e não tem câncer de pulmão, tem a saúde praticamente perfeita, para falar a verdade… e, sim, carismático em sua excentricidade e com suas manhas, é um personagem tão singelo e tocante quanto este filme, aparentemente simples, porém carregado de significados. Um filme sobre velhice, solidão e morte que acaba tendo uma leveza em vez de um drama que poderia ficar pesado e ser desnecessário. Belo, singelo, simples e complexo ao mesmo tempo, super recomendo. 



Um adeus delicado e belo de Harry Dean Stanton, cheio de pequenos sorrisos e que também invocou em mim vários sorrisinhos.

Nota: 5 de 5 cágados perdidos (ou não) no deserto


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …