Pular para o conteúdo principal

Dica de cinema: The Square - A arte da discórdia - filme mais debate no MIS (gratuito)

Indicado ao Oscar 2018 de Melhor Filme Estrangeiro, “The Square” é tema de debate no dia 07.02, no MIS

Tiago Ferro e Tales Ab’saber compartilham com o público olhares sobre o longa sueco, em evento realizado pela Pandora Filmes e a revista de ensaios culturais Peixe-elétrico

Multipremiado, o filme sueco “The Square – A Arte da Discórdia” pode somar mais uma nobre estatueta à prateleira: o longa de Ruben Östlund integra a lista de indicados ao Oscar 2018 de Melhor Filme estrangeiro. Enquanto a premiação não vem - a 90ª edição do Oscar será realizada só no dia 04 de março – o filme ganha sessão especial seguida por debate aberto ao público na quarta-feira (7.02), no auditório do Museu da Imagem e do Som, uma instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.

O evento, parceria entre a Pandora Filmes e a revista de ensaios Peixe-elétrico, será conduzido pelo editor Tiago Ferro, que recebe o psicanalista Tales Ab’saber. A dupla compartilha com o público olhares sobre o longa que arrancou elogios de Almodóvar ao focalizar um respeitado curador de arte que tenta desesperadamente atrair mais visitantes ao museu que dirige em Estocolmo. O filme parte do universo da arte para discutir limites e liberdades em uma crônica sobre o comportamento humano contemporâneo.

“’The Square’ nos leva até o beco sem saída no qual chegou a modernidade ocidental com seu projeto universalista de emancipação do homem. A sensação é que ética e estética afundam de mãos dadas sem qualquer tipo de salvação individual. Se a arte perde o pé dentro da trama, o filme acerta em cheio os dilemas dos nossos tempos”, comenta Tiago.

Sinopse - Grande vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes, o longa gira em torno de Christian, um respeitado curador de arte que tenta desesperadamente atrair mais visitantes ao Museu que dirige em Estocolmo. Quando seu celular é roubado, Christian perde o controle de sua vida, afetando todos a seu redor e provocando consequências inesperadas.

O que a crítica internacional já disse:
“Nunca houve uma Palma de Ouro assim” (USA Today)
“Loucamente ousado” (Hollywood Reporter)
“Inteligente e de rolar de rir” (The New York Times Magazine)
“A obra engloba muitas ideias e o diretor é ambicioso ao fazer um filme sobre a cegueira do mundo ocidental, relevante nos dias de hoje.” Gregorio Belinchon (El Pais Brasil)

PANDORA FILMES
A Pandora Filmes é uma distribuidora de filmes de arte, ativa no Brasil desde 1989. Voltada especialmente para o cinema de autor, a distribuidora buscou, desde sua origem, ampliar os horizontes da distribuição de filmes de arte no Brasil com relançamentos de clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Fellini, Bergman e Billy Wilder, e revelações de nomes outrora desconhecidos no país, como Wong Kar-Wai, Atom Egoyan e Agnés Jaoui. Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora Filmes sempre reserva espaço especial para o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos. Para centrar ainda mais força no cinema nacional, em 2016 a produtora Paula Cosenza se associou à distribuidora. Dentro desse segmento, destaca-se o recente “Que Horas Ela Volta”, de Anna Muylaert, um grande sucesso, visto no cinema por mais de 500 mil espectadores.

PEIXE-ELÉTRICO
“Peixe-elétrico” é a revista digital de ensaios culturais da editora e-galáxia. É idealizada e editada por Tiago Ferro, Ricardo Lísias e Mika Matsuzake. Tem lançamento bimestral nos sites das seguintes lojas: Amazon, Apple, Google Play, Kobo, Livraria Cultura e Saraiva.  www.peixe-eletrico.com 

TALES AB'SABER
Tales Ab’saber (1965) é psicanalista, professor de filosofia da psicanálise da Universidade Federal de São Paulo. É autor do ensaio de política e cultura “Lulismo, carisma pop e cultura anticrítica” (Hedra).

TIAGO FERRO
Tiago Ferro nasceu em 1976 em São Paulo. Mestre em história social pela FFLCH-USP, realiza hoje no mesmo departamento pesquisa de doutorado sobre a obra de Roberto Schwarz. Editor de livros e da revista de ensaios “Peixe-elétrico”, escreve textos sobre cultura para as revistas “Piauí”, “Cult e “Suplemento Pernambuco”.

DEBATE SOBRE O FILME ‘THE SQUARE’
Data: 07.02 (quarta-feira)
Hora: 19h

Museu da Imagem e do Som

Endereço: Av. Europa, 158, Jd. Europa | São Paulo - SP, Brasil | CEP 01449-000
Contato: (11) 2117 4777

Entrada franca - retirada com uma hora de antecedência na recepção do museu


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …