Pular para o conteúdo principal

Tartarugas até lá embaixo: o melhor livro do John Green?

Primeira foto cheia de expectativa sobre o livro com amuletinho especial da felicidade

Tartarugas até lá embaixo: o melhor livro do John Green? - por Dhuane Monteiro 

Meu primeiro livro do John Green, super animada para ler, ganhei de presente de uma amiga muito querida que me deu uma sacola de livros (me invejem); expectativas lá em cima, todo mundo falando que era o melhor livro.

Pois bem, vamos para minha opinião sobre este livro de capa fofinha.

(Como sempre, quero destacar que a opinião é da autora do post e não da Sra. Death, diva e dona do Blog)

Primeiramente, vamos falar do TOC- Transtorno Obsessivo-Compulsivo- (por que vamos falar de TOC? Porque sou da área da saúde e adoro falar dessas coisas).

O TOC é um Transtorno se caracteriza por momentos de Obsessão, em que aparecem aqueles pensamentos intrusivos e involuntários que se repetem e acabam causando ansiedade e desconforto para a pessoa e, para se livrar disso ela acaba entrando na Compulsão, que é o ato físico ou mental para o alivio dos pensamentos causados pela Obsessão. Isso pode fazer com que a pessoa se afaste de outras pessoas, tenha um grande medo de germes, verifique várias vezes se desligou o gás ou fechou a porta.

O TOC é bem comum na sociedade, podendo alguns indivíduos tê-lo de forma leve, como também de forma acentuada, fazendo com que eles não consigam atuar na sociedade.

Seu tratamento pode ser por ansiolíticos, antidepressivos e terapia cognitivo-comportamental.




Mais fotinha fofa e cheia de esperança

Agora vamos começar a falar sobre o livro: Aza Holmes tem TOC e vive em um mundo em que ela não controla os próprios pensamentos. Ela tem uma melhor amiga, Daisy, que é fanática por Star Wars. As duas se embrenham em uma aventura para encontrar um bilionário que está foragido da polícia e há uma recompensada de 100 mil dólares para qualquer pista dele. Por isso elas começam procurando pela propriedade deste milionário e se aproximam do filho dele, Davis, por meio da amizade antiga dele com Aza.

Que história lindinha. Já imaginamos um amor lindinho, uma amizade lindinha, um caso solucionado e a Aza melhorando da doença.

Não, não, não, não, e vários outros não. Vamos começar a falar do mistério em cima do desaparecimento do bilionário. Sem graça e sem o mínimo de desafio que um livro com esses tipos de mistérios oferece; quando tudo é resolvido você não fica nem aí.


Sobre Davis, o filho. Ele é um riquinho que se sente a pessoa menos compreendida do mundo. Ele nasceu sem o amor do pai e acha que qualquer ser humano que se ocupa com dinheiro, viagens, ou qualquer outra coisa é uma pessoa vazia. Porque ele um adolescente que teve tudo menos um pai presente, ele sabe julgar se uma pessoa é vazia ou não com as filosofias baratas que temos que aturar dele durante o livro. Ele, que tem um irmão menor que está depressivo e que vira as costas direto para essa criança, com desculpas esfarrapadas de que não é o pai, mas não consegue nem ser amigo. Sim, temos que aturar este tipo de adolescente.

Daisy é uma fã de Star Wars que escreve fanfics shipando a Rey com o Chewbacca e cujo filme preferido da saga, se não me engano é um dos Episódios II ou III (não me lembro agora). Só por esse pequeno resumo já descobrimos que ela não é realmente uma fã de Star Wars e parece mais um embuste ou uma forma do John Green ridicularizar os fãs de verdade. 

- Por que a garrafinha de vinho está vazia?
- Porque só bebendo para aguentar este livro!

Por fim, Aza. Ela me deu raiva. A doença dela é complicada? Sim, é complicada. Contudo, ficamos com ela o livro inteiro se recusando a tomar remédio. Ela fica presa direto pelas obsessões e compulsões, mas o que dá muita raiva é porque ela é egoísta. Ela não liga para ninguém a não ser os germes dentro dela, não sabe nada da vida da melhor amiga e fica julgando-a direto (tanto que tem uma briga entre as duas nos livro que foi a única coisa boa). Não liga para opinião da mãe e a acha irritante mesmo esta querendo apenas o bem da menina. Não vamos falar do relacionamento dela com Davis para não dar spoiler. E, principalmente, ela fica julgando a psiquiatra e não faz nada para melhorar, exceto pelo final por causa de um negócio que acontece lá...

E isso é o que me deixou mordida no livro. A Aza não melhora nesse egoísmo. Todos são obrigados a aceitá-la do jeito dela e dane-se.

Então, amiguinhos, deixe-me contar um segredo: pacientes psiquiátricos não precisam ser egoístas, irritantes e chatos e no fim compreendidos só por causa da doença deles. Na verdade, eles são seres de personalidades como qualquer um e podem se obrigar a serem suportáveis aos mais próximos, mas, a mensagem que o John Green passa é: seja egoísta, o importante é que você seja feliz e que se danem os outros a sua volta. Não seria um mundo maravilhoso se todos pensassem assim?

Claro que este é um pensamento da autora do post, mas se nota que ninguém toma jeito neste livro. Outro exemplo é o irmão mais novo de Davis, Noah. O moleque é um mini delinquente, porém e daí?,  o importante é que ele vai ter amor no final.

John Green também é cheio de clichês e referências utilizadas de forma muito porca. A leitura é cansativa e ele não apresenta nada de novo. E se esse for o melhor livro dele, eu só agradeço por nunca ter lido os outros!

Nota: 0,5


P.S.: estou com pena das tartarugas por terem o nome estampado em tal livro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …