Pular para o conteúdo principal

Crítica do filme A Livraria, um filme de Isabel Coixet (adaptação do livro homônimo de Penelope Fitzgerald)


Um deleite para quem ama livros… ao mesmo tempo em que traz a tristeza para quem ama livros também, “A Livraria” é um belíssimo filme que retrata mais do que a paixão por livros, pois vai além e retrata como a futilidade, a inveja e o dinheiro podem arruinar os planos mais simples de vida de uma pessoa.

Em uma cidadezinha da Inglaterra, em 1959, Florence decide abrir uma livraria. Se analisarmos sob o prisma de hoje em dia, não parece nada de outro mundo e não daria para entender por que tanto boicote, tanta fúria e tentativa de destruir Florence e sua livraria. 

Ah, mas cada vez que o excêntrico Sr. Brundish abria um pacote de livros… E o deleite de ler Ray Bradbury - ah, como entendo isso! <3

Como eu disse acima, o ano é 1959. Florence é uma viúva e que decide realizar um empreendimento que tipicamente não é feito por mulheres. Não é uma época em que as mulheres são realmente levadas a sério como empreendedoras (analisemos: até hoje mulheres ainda recebem salários inferiores a homens, há profissões consideradas masculinas etc.) e, sendo assim, há todo um complô, um boicote, situações revoltantes por parte da senhora rica que se sente a dona das decisões e faz de tudo para acabar com o sonho, aparentemente simples, de Florence e sua livraria. 

Embora tenhamos momentos deleitosos com a paixão pela leitura tanto por parte de Florence quanto pelo “esquisitão” da cidade, o Sr. Edmund Brundish, há muito mais momentos em que a revolta pela mesquinhez da socialite rica, Violet, e aqueles que a ela se associam acaba se tornando exacerbante. 

A pequena Christine, inicialmente ajudante de Florence na livraria, acaba desempenhando um papel importantíssimo no final e o que temos é uma bela alegoria sobre a determinação, a coragem de ousar, mas também os limites para uma luta, e assumir quando não há como vencer. 

É triste em alguns pontos, não triste no sentido do drama exagerado, mas ver aquela mesquinhez, maldade pura e simples, tudo isso porque aparentemente uma pessoa que tinha o “poder” (dinheiro e influência) resolveu arruinar os planos de uma outra mulher, apenas porque ela podia fazer isso. 

Quase todos na cidade duvidam da capacidade de Florence de ser bem-sucedida em seu empreendimento, e muitos ajudam na tentativa de afundá-la. A condescendência e inclusive a insistência do banqueiro para que ela desistisse do imóvel é algo repulsivo. Porque subestimar uma mulher é revoltante. Porque subestimar e tentar arruinar as pessoas é revoltante. 

Se Florence parece deslocada e frágil ao mesmo tempo em que é nobre, tem bom coração e é culta, temos que nos lembrar da época. Temos que nos lembrar que seria muito fantasia colocar uma mulher simples daquela época como uma guerreira e a nossa atual (e clichê, muitas vezes, diga-se de passagem) “personagem forte do sexo feminino”. Não há como ser uma heroína sempre, e menos ainda quando se é  uma pessoa comum, viúva, em uma cidade pequena em que todo mundo controla a vida do outro e em uma sociedade que acha que a mulher é incapaz por natureza. E isso é tão dolorosamente realista que o filme me tocou no coração.

Por não termos uma esperada heroína que vai até o fim e acaba sendo vítima das tramas maldosas de Violet, isso não quer dizer que a moral da história seja de que devemos aceitar a perda. O filme conta uma história que não tem um final feliz, já adianto, mas que nos leva a refletir que nem sempre tudo termina bem. Nem sempre toda a determinação do mundo pode lutar contra a maldade, o dinheiro e/ou os frutos dos dois juntos. 

Se fica um gostinho amargo no final, não é pelo filme, mas sim pelos seres humanos que desde sempre e ainda hoje buscam arruinar os sonhos dos outros só porque eles mesmos não têm nenhum. 

O filme acerta em cheio ao retratar a "alta sociedade" hipócrita e até mesmo o quanto pessoas que não fazem parte dessa ala da sociedade são mesquinhas e julgadoras e seguem a onda de quem domina o status quo. É tristemente realista isso. 

Os planos de câmera são belos, as atuações são fortes, especialmente a da atriz mirim que faz Christine - e, se em meio à mensagem de que a maldade junto com dinheiro e poder podem destruir... resta aquele fiozinho de esperança de que algo ou alguém poderá mudar alguma coisa. 

Se você está a fim de ver um filme com uma pegada mais realista, belas cenas bucólicas (e cujos melhores momentos estão entre Florence e Christine e Florence e o Sr. Brundish e suas interações), eu mais do que indico esse filme. 

Não li (ainda) o livro que deu origem ao filme [temos um quê de metalinguagem no final do filme sobre isso ;)], então não posso falar em termos de adaptação, mas, como filme, para mim foi um deleite agridoce.
"Entre livros, ninguém pode se sentir sozinho."


Como disse a diretor: "As pessoas se arriscam todos os dias. Oportunidades grandes e pequenas, seguras ou perigosas: e muitas delas passam despercebidas. Mas o que acontece quando essas oportunidades SÃO percebidas? E como isso se reflete no mundo em que todos nós vivemos hoje?"

Injustiças são perpetradas? Sim. Fica tudo bem no final? Não. Isso é algo ruim? Caberá a você decidir. Para mim o filme é bem realista e retrata muito bem uma sociedade mesquinha e movida pelo patriarcado, pelo dinheiro e por preconceitos. 

Já vi opiniões divididas quanto a esse filme, mas eu gostei sublimemente dele. :)

Nota: 4 livros encontrados inteiros em meio ao fogo ;)

O filme foi vencedor do Goya 2018, considerado o Oscar do cinema espanhol.


Trailer:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …