Pular para o conteúdo principal

{Evento} - New Pop Day 2018 - Como foi, novidades da editora, comentários e tal :)

O New Pop Day de 2018 foi um evento realizado pela editora New Pop no dia 18, em um domingo, lá na Liberdade.
Foi um evento com promoções nos mangás da editora, com os copos temáticos, a camisa oficial do Sora, com energético e palestras.

Antes de falar sobre as palestras, vamos falar sobre os tópicos anteriores.
As promoções de mangás estavam boas, ainda mais se levar em conta que eu comprei alguns Usagi Drop por 10 reais apenas, mas foi mal organizado, já que para sabermos os preços, só bipando no caixa. Claro que isso não me impediu nem um pouco de gastar horrores no evento, mas seria bem mais fácil se os preços estivessem mais facilmente à disposição do público.
A camisa oficial do Sora era super barata (apenas 15 reais gente, fiquei pasma!), os copos temáticos eram lindos, e, sério, o energético é muito bom, mas muito bom mesmo.
Olha que lindo esse copo!
Agora, sobre as palestras, a primeira, não minto, eu dei uma escapulida junto com a Ana para comer crepe, então na cara dura, estou falando que não assisti à primeira palestra, pegamos só o finalzinho xD
A segunda foi sobre o Isekai. Como achei um assunto muito interessante, vou dar uma comentada sobre esse gênero (ou melhor, sub-gênero). Isekai significa praticamente "outro mundo" (Se vocês acham que vou colocar os ideogramas, estão bem enganados, bwahahaha), ou seja, é aquele mangá/anime/filme/livro que você está lendo de boa e, de repente, o personagem principal é transportado para outro mundo. Se está com dificuldade de imaginar ainda, vamos exemplificar: temos Nárnia e as crianças passando pelo Guarda-Roupa para outro mundo; A Torre Negra, com o Eddie, o Jake e a Susanah parando na Terra Média; Sword Art Online (que nunca assisti, mas já ouvi falar) em que o Kirito para naquele vídeo-game; InuYasha, com a Kagome sendo sugada pelo poço e parando na época do InuYasha; e o No Game No Life, das light novels e mangás lançados pela New Pop, em que a Shiru e o Sora vão parar no “Disboard”.
É um sub-gênero que tem tido um boom ultimamente e nesta palestra foi discutido o por que disso (não chegamos muito em uma conclusão). Acabou que consideraram que os leitores acabam se identificando e por isso o Isekai tem um aumento de popularidade. O que na minha opinião, não acho tão certo. Primeiro, porque as histórias não compreendem uma parcela tão grande de pessoas, que são tão diferentes (Amém), segundo, porque eu sinto agonia com essa coisa de se identificar. Nunca em meus 22 anos me identifiquei com qualquer personagem, mas, mesmo assim, amo vários mangás/filmes/livros/etc. por causa de uma coisa que talvez possa chocar algumas pessoas. Estão prontos para ouvir??...

É tão difícil assim as pessoas apenas se encantarem pela história e por isso o gênero (ou subgênero) ser popular?

Minhas comprinhas
A segunda palestra a que eu assisti foi mais técnica, falando sobre distribuição e o processo de lançar mangás no Brasil. Para explicar o por quê da demora da editora de lançar alguns mangás ou para anunciar ou fazer um contrato. O processo de lançamento, porque algumas tiragens vão com erro, entre outras coisas.
Como resumão, vamos dar uma rapidinha (não esse tipo de rapidinha, seus pervertidos) em tudo. Basicamente, eles não lançam tudo agora por causa do mercado, se o gênero da obra estiver saturado ou não estiver em alta, seria um belo de um tiro no pé lançar (e claro que é um horror dar um tiro no pé no mercado de hoje em dia no Brasil). Para conseguir um contrato para lançamento depende muito do Japão (tem vez em que eles se abrem para negociações apenas uma vez ao ano, os formatos devem ser do jeito que eles querem, por isso o No Game No Life é daquele formatinho pocket). Algumas tiragens saem com erros bizarros (sim, estou falando da revisão do NGNL, como eles mesmos admitiram sobre a primeira tiragem da novel, ou de algumas lombadas que não batem) porque eles têm alguns prazos para lançar (prazos impostos pelo Japão) e esses prazos às vezes não dão tempo para se ter um lançamento perfeito.

Nesta última imagem, temos uma curiosidade, no recebimento de volumes físicos, eles descosturam o mangá inteiro para escaneá-lo. Isso ocorre mais com títulos mais antigos, então eles fazem isso com o original japonês de GTO (sofram com essa informação).
A diagramação de uma página
Agora, o mais esperado, os lançamentos e as informações sobre os mangás da editora.
Programaçãozinha para vocês ficarem felizes J
O Loveless, infelizmente vai se tornar semestral, por problemas com a autora mesmo, que não decide o que quer na vida para o final de obra. Ouvi dizer que vão relançar o Koe no Katachi 1 (que eu não comprei lá porque estava em falta e infelizmente não gosto de coleção incompleta). GTO vai se tornar mensal, e teremos mais Madoka Magica.
Lançamentos de março
Girls und Panzer: É a história de um universo alternativo em que as comunidades vivem em porta-aviões e cada comunidade tem sua academia em que é praticado o esporte de "sensha-dō", ou a “arte do tanque”. Esse esporte é considerado feminino e, por isso, apenas garotas e mulheres os praticam. Nele acompanhamos um grupo de garotinhas que disputam com outras academias o sensha-dō e acabam criando laços uma com a outra e também com os seus tanques.
Velvet Kiss: Niita é um assalariado que está tendo muita sorte, só que do nada ele fica devendo uma quantia absurda e para conseguir se livrar desta divida é indicado que ele deve se aproximar de uma garota. Este é um mangá Hentai que tem história (porn with plot, raro, eu sei).
OUTROS LANÇAMENTOS


Lançamentos do mestre Tezuka
Niji no Prelude: Conta a história da uma garota francesa que se apaixona por Chopin na época em que a Polônia foi invadida pelos nazistas (tem minha cara esse mangá, juro!)
Shin Takarajima: É um mangá inspirado na Ilha do Tesouro.
Mangá Daigaku: Como se percebe pela capa e pelo título, é um guia do Osamu Tezuka que explora sobre o que é mangá.

Por fim, a New Pop é a editora mais diversificada que existe no mercado no momento. Suas edições são maravilhosas (peca um pouco apenas em revisão) e com preços justos. Ela está em ativa há 11 anos (e eu comprei o primeiro mangá lançado por ela, estou ficando velha T_T) e tem a política de não cancelar seus títulos (aprenda com eles seu pão italiano que cancelou vários mangás que eu colecionava). Ou seja, só podemos tirar o chapéu para ela.
E claro, conhecemos essas duas fofas no evento com esse travesseiro (dakimakura) mara do Sebastian
Escrito por: Dhuane Monteiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …