Pular para o conteúdo principal

{Evento} Tolkien Reading Day 2018 = A Terra-Média é nossa! - J.R.R. Tolkien agora na Editora HarperCollins Brasil




Gente, como eu adoro esses eventos de editoras! Na linha do New Pop Day, a editora Harper Collins fez um evento hoje (25 de março, #TolkienReadingDay) para falar mais com a gente sobre como e o que eles pretendem lançar do Tolkien agora que eles têm os direitos de lançar as obras dele! {E tudo fica ainda melhor quando a sorte decide ser minha amiga e eu ganho, no sorteio no evento, nada mais nada menos do que... O UM ANEL!!!} *gritinho estridente de felicidade*

Já começou que o local escolhido, o Cinema Reserva Cultural, é super confortável. Tinha água em cada lugar para a gente! Sério, parece bobagem, mas elas delicadezas e considerações são uma fofura, ainda mais que o calor hoje está mais que tenso! E, como a gente tinha que se inscrever para ir ao evento, todos que foram ganharam kits, compostos por um livro de C. S. Lewis em uma edição belíssima, como vocês podem ver nas fotos abaixo, mais a sacolinha preta aí da foto logo acima. E, para quem não sabe o que esse livro tem a ver com Tolkien, além de eles serem amigos, foi um livro que Lewis dedicou ao Tolkien! Muito amorzinho, né?

Não sei vocês, mas eu já fiquei encantada com a notícia assim que foi liberada nas redes sociais da editora, afinal, os livros da HarperCollins costumam ser bem bonitos e em edições bem cuidadas. Convenhamos, Tolkien, por toda sua criação e por todo seu legado, merece livros em edições lindas e com preços acessíveis para nós, não? Pois é o que promete a HarperCollins Brasil.

Novas traduções, promessa de publicação de TODOS (em um planejamento de 7 anos) os livros do autor em edições colecionáveis e de luxo! *suspiro* Tudo o que os fãs e o autor merecem, não?

Com o slogan “A Terra-Média é nossa!”, A HarperCollins Brasil já delineou alguns planos de lançamentos e, sem mais delongas, vou compartilhá-los com vocês.

A conquista da Terra-Média


Foi uma notícia tão boa que parecia trazida pelo próprio Gandalf: a HarperCollins Brasil passa a ser, a partir de agora, a casa publicadora oficial de J.R.R. Tolkien no país! É uma responsabilidade quase tão grande quanto a de carregar o Um Anel, e, para cumprir essa jornada, eles prepararam um plano de lançamentos e distribuição dignos da obra de um dos autores mais importantes da mitologia moderna. 

Sob o selo HarperCollins, os livros de Tolkien - tanto o Legendarium quanto os demais - retornarão às livrarias com acabamento de luxo em capa dura. 

Os textos serão reavaliados, incluindo atualizações baseadas nas edições britânicas revisadas. 

Lançamento dos doze volumes de History of Middle-Earth (inédito).

Lançamento de Beren e Luthien (inédito).

Lançamento de The Lay of Aoton & Itroun (inédito).


Publicação de edições especiais e comemorativas inéditas no Brasil, incluindo caixas e edições para colecionadores. 

Publicação da biografia oficial do autor, escrita por Humphrey Carpenter.


A HarperCollins vai preparar eventos e promoções especiais a cada lançamento. Eles pretendem não somente agradar aos fãs, como atrair leitores novos também. 

Gente, dá quase para sentir o relevo nessa foto, né? Edição lindíssima!
Compromisso de distribuição constante e mais eficiente da obra de Tolkien. 

Investimento na divulgação do autor e sua obra, dando a ela o mesmo status de literatura clássica que ela já tem no exterior. 

Eles anunciaram também: O dom da amizade, de Lewis e Tolkien. E eles falaram em lançarem também audiobooks, além dos e-books!

É isso, pessoal. E a HarperCollins Brasil está aberta a perguntas e sugestões dos leitores e fãs, então, qualquer coisa, vão lá nas redes sociais deles e entrem em contato, ok?


Comentários

  1. Fiquei feliz com essa notícia porque tenho certeza que as edições serão belíssimas, mas fiquei triste porque comprei a trilogia + O Hobbit ano passado e não sou do tipo de gente que compra livro repetido só pra ter na estante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, mas além de edições belíssimas, serão feitas novas traduções, e com material novo e otras cositas mais... Além dos livros inéditos, né? :)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …