Pular para o conteúdo principal

O filme Uma Espécie de Família, um filme de Diego Lerman, tem debate pré-lançamento (grátis)

O longa de Diego Lerman, que aborda questões ligadas ao desejo da 
maternidade, ganha sessão seguida de uma conversa entre a jornalista Teté Ribeiro 
e a psicanalista Vera Iaconelli, terça-feira (06.03), às 20h, no Itaú Frei Caneca

“Uma Espécie de Família”, de Diego Lerman, chega aos cinemas na quinta-feira (08.03), Dia Internacional da Mulher. Antes, na terça-feira (06.03), às 20h, o longa que aborda questões ligadas ao desejo pela maternidade e vai além delas, ao refletir sobre os limites de cada um, ganha sessão especial, seguida de debate.

Após a sessão a jornalista Teté Ribeiro, autora do livro “Minhas Duas Meninas", um relato de sua trajetória até tomar a decisão de ter filhos por meio de uma barriga de aluguel na Índia, entrevista a psicanalista Vera Iaconelli, que escreve sobre relações entre pais e filhos, mudanças de costumes e novas famílias do século 21. A conversa tem a participação especial da atriz Paula Cohen, que está no elenco do longa.

Distribuído pela Pandora Filmes e co-produzido pela Bossa Nova e El Campo Cine o longa retrata a adoção ilegal em Misiones, na fronteira do Brasil com a argentina. O roteiro é assinado por Lerman em parceria com María Meira.

Vencedor do Prêmio de Melhor Filme no Festival Internacional de Chicago, o filme ainda conquistou o Prêmio de Melhor Roteiro do Festival de San Sebastián. Foi exibido na Mostra de São Paulo (Perspectiva Nacional 2017) e também passou por outros Festivais, como o Philadelphia Film Festival, Toronto, Biarritz, CPHPIX e BFI. 

Tem como protagonista a espanhola Bárbara Lennie, conhecida por filmes como “A Pele que Habito” (2011), de Pedro Almodóvar, e “A Garota de Fogo” (2014), de Carlos Vermut, pelo qual conquistou prêmios como o Goya de Melhor Atriz. 

A equipe tem os brasileiros Paula Cohen (atriz) e Marcos Pedroso (direção de arte); além de outros nomes como o polonês Wojciech Staron, vencedor de mais de 20 prêmios em Festivais como o de Berlim, pelo filme “El Premio” (2011), de Paula Markovitch.

Sinopse:
Malena é uma médica de classe média de Buenos Aires determinada a se tornar mãe. Ela viaja sozinha para o interior da Argentina com o objetivo de adotar um recém-nascido e, na viagem, confronta diversos limites morais que a fazem se questionar até onde é capaz de chegar para formar a família que deseja. 

O diretor:
Diego Lerman estreou como diretor em 2002 com o longa-metragem “Tan de Repente”, que ganhou o Leopardo de Prata no Festival de Locarno, entre outros prêmios. Seu filme seguinte, “Mientras Tanto” (2006), participou da seleção oficial do Festival de Veneza. Em 2007, dirigiu o documentário “Serviços Prestados”, também apresentado no Festival de Locarno. Seus dois filmes seguintes, "La Mirada Invisible" (2010) e "Refugiado" (2014), foram exibidos na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes. Ele também dirigiu a série de televisão “La Casa” (2015).

UMA ESPÉCIE DE FAMÍLIA
(Una Especie de Familia) / Argentina, Brasil, França, Polônia, Alemanha, Dinamarca/ 2017, cor, 95 min., idioma: espanhol, som: Dolby Digital / Direção: Diego Lerman / Elenco: Bárbara Lennie (Malena), Daniel Aráoz (Dr. Costas), Claudio Tolcachir (Mariano), Yanina Ávila (Marcela) e Paula Cohen (Dra. Pernía) / Roteiro: Diego Lerman e María Meira / Fotografia: Wojciech Staron / Montagem: Alejandro Brodersohn / Edição de som: Rafael Millán / Direção de arte: Marcos Pedroso / Figurino:Valentina Bari / Maquiagem: Nancy Marignac / Seleção e preparação de elenco: María Laura Berch / Produção: Diego Lerman / Empresas produtoras: El Campo Cine, 27 Films Production, Bellota Films, Bossa Nova Films, Productora MG, Red Rental, Snowglobe Films, Staron Film, Televisión Federal (Telefe), com o suporte de Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales (INCAA)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …