Pular para o conteúdo principal

10 motivos para assistir a “Um Lugar Silencioso” no cinema




Um Lugar Silencioso (A Quiet Place) chamou a minha atenção por prometer ser tenso e eu fiquei super encantada com a premissa do filme. Por isso, quando a Ana me deu um ingresso de presente, corri para assistir ao filme.
E depois de ter assistido aio filme e gostado, mesmo depois de todo alvoroço por causa do final (que sinceramente era previsível e não sei porque as pessoas ficaram tão revoltadas), resolvi fazer a lista dos dez motivos para se assistir ao filme.
    
     1. Deus perdoa, o filme não

Isso me surpreendeu porque geralmente os filmes poupam os personagem, e sempre aqueles personagens irritantes. Mas esse filme não e por isso acaba sendo tão tenso assisti-lo.

2.Deixa as pessoas sem graça de comer pipoca... EM UM CINEMA

Juro para vocês, o carinha do meu lado abriu cuidadosamente o saco de pipoca, levantou lentamente a mão, pegou uma pipoquinha e se arrependeu de ter comido por causa do barulho que fez.

3. A sonografia

Claro que um filme como esse teria uma sonografia legal. Foi maravilhoso como eles mudaram o silêncio como é para um deficiente auditivo para o silêncio de pessoas que não apresentam essa deficiência, além de que tem uma hora em que eles mostram a música de um fone de mp3 que quando toca, nos permite respirar, o que nos leva para o quarto motivo.

4.Tem hora em que você respira lenta e silenciosamente para não fazer barulho

No final então, você nem respira direito.

5.Consegue fazer até aqueles adolescentes chatos ficarem quietos

É impressionante como sempre tem um grupinho que parece que vai só para gritar e zoar (Onde vivem? Do que se alimentam? Por que existem? Hoje, no Globo Repórter). Na minha sessão tinha esse grupo. Eles ficaram quietos.

6. A proteção dos pais para com os filhos

Isso é muito legal no filme. Os pais fazem das tripas o coração para proteger as crianças, tem até a frase da mãe para o pai que é:
“- Se não pudermos protegê-los, quem somos nós?”

7. O amor entre pais e filhos

Claro que depois daquela frase da mãe, você até imagina como é o amor maternal, não? Com um destaque para o amor e a responsabilidade do pai com a família.

     8.Toda ação tem a reação correta

Eles não permitem que a pessoa aja de forma idiota e saia impune, o que é maravilhoso.

9. A mãe é uma personagem forte que ousa ficar grávida em um mundo apocalíptico em que não se pode fazer barulho

Sério, gente, que mulher não grita na hora de parir???? A bichinha é muito porreta e protege os filhos com unhas e dentes.

10.O pessoal dá risada no final porque ficaram super tensos até esse momento

No final você só ouve as pessoas rindo e respirando (porque lá atrás elas pararam só para não fazer barulho) porque o filme é tenso do começo ao fim.

O filme não é uma grande obra da sétima arte, mas é um ótimo filme para descontrair (tenho gostos estranhos, não me julguem). E para completar, descobri que tem joguinho para a versão mobile aqui.

Lembrem-se, se forem ver o filme, façam silêncio.

Comentários

  1. As pessoas reagiram do mesmo jeito na sala de cinema onde eu vi o filme! Haha
    Acho que Um Lugar Silencioso prova que mesmo sem muitas falas um filme pode ser ótimo se for bem feitinho.
    Como adoro histórias pós-apocalipticas, esse já é um dos melhores filmes que vi no ano :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiim! Adorei o clima do filme e como ele deixa todo mundo tenso. Foi um dos melhores que assisti esse ano.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…