Pular para o conteúdo principal

Cara gente elitista - Um desabafo contra o preconceito literário


E eis que eu estava aqui, relativamente calma e desestressada, curtindo meu livrinho que é um YA que aborda temas bem profundos, atuais, etc. e BAAAAM! Abri o Twitter e me deparei com mais uma babaquice elitista sem tamanho!

Gente, para quem me conhece daqui, do Instagram ou de tempos, sabe que não sou elitista. Que acho determinadas atitudes patéticas, mas essa da tal curadoria/vendedores de caixinhas de livros mensais foi um dos maiores tiros no pé dos últimos tempos.

Então, cara gente elitista, para de ser babaca. Não precisa só ser um vendedor de produtos/serviços que chama seus leitores nas entrelinhas de incultos, se eles preferem ler bestsellers. Todos vocês, elitistas de plantão, só parem! O mimimi é muito chato. Essa juventude só lê Young Adult, só vejo livro de vampiros nas prateleiras, ninguém mais lê Cortázar, só se lê baixa literatura blábláblá

Cara gente elitista, você não é melhor do que ninguém por apenas ler livros que são considerados, por outros da elite, alta literatura. Tem muita “alta” literatura boa, assim como tem muita porcaria. Ah, sim, Tolkien é hoje considerado um clássico, mas na época dele, era "baixa" literatura, e para alguns elitistas-mor, sempre será, porque é fantasia. Por que fantasia, ficção científica... nada disso é bom para vocês?

Ah, mas cara gente elitista, querer vender seu produto e insultar seus possíveis leitores? Sério? Dizer que bestseller não precisa de concentração para se ler? Oi? 

Cara gente elitista e chata que acha que algo que vende muito é ruim. Sério isso? Cara gente tosca que acha que os leitores devem parar no tempo e ler livros que podem até ser muito bons (ou não), mas não abordam problemas de NOSSA época? 

Cara gente elitista que acha que também não se pode ver filmes de ação, comédia romântica e filmes que não são "de arte"? Até quando teremos essa palhaçada?

Que tal se vocês se importassem menos com o que as pessoas leem e ficassem mais felizes porque as pessoas leem? Que tal se em vez de julgar esses livros, vocês fossem menos babacas e os lessem para quem sabe ter suas mentes toscas e elitistas abertas?

Cara gente elitista que ofende seu público alvo. Vocês precisam mudar. Se não for por vontade própria, vai ser perdendo leitores e possíveis leitores. 

Cara gente elitista, se você está lendo isso, acorda. Ou sai daqui. Porque, sinceramente, nesse blog você vai encontrar sim filmes e livros “de arte”, mas também, e muito, do bom entretenimento que faz pensar ou relaxar ou os dois juntos e, sim, podemos falar mal daqueles seus livros e filmes intelectualoides que são sinceramente um pé no saco.




Comentários

  1. Como também essa alta literatura ser uma das responsáveis pelo pouco interesse pela leitura. Quantas pessoas odiavam ler porque só conheciam esse tipo de leitura e quando lê a baixa literatura se apaixona e devoram livros? Quantos assuntos de clássicos são retratados em livros contemporâneos e esses sim chamam atenção porque não são pomposos ou preconceituosos (o que é bem comum em alta literatura)?

    As pessoas são elitistas. Lêem 3 clássicos no ano e acham que tem mais conteúdo que uma pessoa que lê 10 livros atuais que retratam problemas atuais ou possíveis problemas futuros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, Dhuane. Muitas pessoas tem receio de ler graças aos "clássicos" que os aterrorizam nas escolas. E que em uma obra contemporânea podem descobrir os prazeres da leitura!

      Excluir
  2. Achei esse caso ridículo, e pior ainda porque envolve uma empresa que deveria incentivar todos os tipos de leitura. Até tava pensando em assinar essa caixinha, mas depois disso prefiro ficar com os meus YAs que eu ganho bem mais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…