Pular para o conteúdo principal

Desencavei: 5 motivos para ler Bela Maldade, um livro de Rebecca James (Editora Intrínseca)




Bom, gente, desencavando umas dicas porque nem só de lançamentos vive um leitor, e livro lançado há um tempinho também vale a pena ser lido, não? Então, além de a capa ser linda… o que mais podemos esperar desse livro?

A seguir, vou apontar 5 coisas ótimas desse livro cuja leitura eu super indico aqui:
  1. Tensão psicológica elevada à décima potência.
  2. Narrativa alternando passado mais distante, passado próximo e presente – o que só faz aumentar nossa agonia para terminar de ler logo o livro, virando a página uma atrás da outra, em capítulos curtos e alternados, até chegarmos logo à conclusão.
  3. Personagens bem caracterizados, aprofundados e totalmente verossímeis (tão verossímeis que chega a dar medo… parece que a gente está lendo uma narrativa de algo que realmente aconteceu…)
  4. Temáticas tensas e ações que nos levam a questionamentos de nossas vidas, das vidas dos outros. É um livro para levar o leitor a refletir sobre sua vida, a vida dos outros, o mundo, o ser humano, o que é maldade… enfim, um livro para levar você a pensar, não é um livro para entretenimento puro e simples.
  5. Suspense. Embora você já saiba de antemão que alguns personagens estarão mortos, você vai se perguntar e querer saber o que houve, e é justamente no como que a autora é genial. Vai revelando detalhes aos poucos, de forma belamente assombrosa.

Ficou curioso? Quer saber mais? Lenha minha resenha publicada há um tempinho lá no blog  Nem um pouco épico - A malícia pode ter uma bela fachada


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …