Pular para o conteúdo principal

Desencavei: Resenha do livro O gato por dentro, de William Burroughs (Editora L&PM) - Um livro para pessoas que amam gatos


William S. Burroughs viveu seus 83 anos escrevendo livros controversos, para dizer o mínimo e, em “O gato por dentro”, cuja introdução, embora curta, mostra um pouco da vida e obra do autor, de uma forma tão sucinta quanto os textos lindíssimos e tocantes deste livro.

Gostei do livro não só pela temática, como também pela bela tradução da edição da L&PM, que deu fluidez à leitura. Em “O gato por dentro”, William Burroughs, escreve em uma forma de diário-crônicas-relatos curtos de suas experiências com gatos, mas não parando apenas por aí. Ele também analisa seres humanos, cachorros e a sociedade nestas 102 páginas. Com textos que, muitas vezes, nos levam a pensar e repensar nossos preconceitos, pois o próprio autor diz, logo no começo, que não era tá aficionado por gatos assim… até conhecê-los melhor, digamos assim.
“O gato não oferece serviços. Ele se oferece. Claro que ele quer carinho e abrigo. O amor não é de graça. Como todas as criaturas puras, os gatos são pragmáticos.”
E não é muito diferente com os seres humanos. Infelizmente, porém, o ser humano é incapaz, com uma frequência absurda, vide guerras, holocaustos, etc., de lidar com o diferente, com o que não conhece, com o misterioso. Quer você goste ou não de gatos, esses animais fascinantes são mostrados a nós sob a óptica de Burroughs, em belíssima prosa poética.
“O gato branco simboliza a lua prateada que se intromete nos cantos e purifica o céu para o dia seguinte.”
“A maioria das pessoas não são nem um pouco fofas, ou, quando são, logo crescem e perdem a fofura… Elegância, graça, delicadeza, beleza e nenhuma inibição.” {a segunda parte se refere a um gato, filhotes, o quadro geral vocês entenderão melhor ao lerem o livro, não pretendo estragar a surpresa}
As palavras soltam-se das páginas, formam imagens e dão asas à imaginação. O livro é daqueles que lemos sem largá-lo e não é apenas por ser pequeno e curto, mas sim por ser belo, encantador, emocionante; nos faz rir, chorar, pensar e refletir até mesmo depois de um tempo após a leitura.

Nota: 5 gatíneos fofíneos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …