Pular para o conteúdo principal

Resenha do livro O Canto Mais Escuro da Floresta, de Holly Black (Editora Galera Record)



Fairfold não é uma cidadezinha normal, é uma cidade onde humanos e o povo das fadas convivem juntos. É nela que Hazel, uma menina que queria ser cavaleiro, e seu irmão, Ben, abençoado com o dom da música pelas Fadas, vivem.
Ao redor da cidade, bem no coração da floresta, vive um monstro. E nem tão fundo na floresta assim, vive um garoto fada lido que dorme há décadas em um caixão de vidro e que Hazel e Ben fantasiavam, quando crianças, ser um príncipe que eles salvariam em uma aventura mágica.
Agora mais velhos, o garoto fada se libertou do caixão de vidro e talvez a aventura que eles imaginavam não seja tão mágica e o final não seja de um conto de fadas à la Disney.

“-Você...- Ela hesitou e então forçou-se a perguntar:- Você vai ficar diferente lá?
            A pergunta provocou uma risada.
            -Não. Mas todo o resto talvez fique.”
O Canto Mais Escuro da Floresta é um conto de fadas dark, onde se nota que a autora fez uma vasta pesquisa sobre o folclore das fadas, como afastá-la, sobre as criaturas que vivem nesse mundo mágico, rituais e lendas.
Sinceramente, desde que eu li Hellboy e as fadas foram retratadas como seres cruéis, eu me apaixonei por esses tipos de contos de fadas mais sinistrinhos e por isso, com esse livro da Holly Black, não foi diferente.
No livro, acompanhamos Hazel, seu irmão, Ben, Jack, um changeling melhor amigo do Ben e Severin, o garoto fada que estava preso no caixão.

Changelings são peixes que você deve jogar de volta ao rio. Um cuco numa família de pardais. Não se encaixam perfeitamente em lugar nenhum.”

A maior parte do livro é narrada pelo ponto de vista de Hazel, o que me deixou um pouco decepcionada, porque meu personagem favorito era o Ben. Mas acompanhamos sua história e descobrimos sua antiga vontade de salvar o povo das fadas e sobre antigos contratos feitos com esse mesmo povo e que têm consequências terríveis.

Ben é um garoto com a mágica da música e que sonha em encontrar um amor arrebatador. Jack é um changeling, uma criança fada que foi colocada no lugar de uma criança humana. Acompanhamos no livro sua angústia de ficar dividido tanto entre os humanos, que não confiavam nele, como com as fadas, que não o aceitam por ele viver com os mortais. Severin é o garoto fada que é perseguido por uma coisa bem ruim e que pode matar os humanos de Fairfold.

“E então Hazel entendeu. Ben a estava guiando através da tempestade de dor. Ele cantava a raiva e o desespero. Ele cantava a terrível solidão, porque não havia maneira de desligar um sofrimento, de deixá-lo de lado ou lutar contra ele. A única forma de acabar com a tristeza era passando por ela.”

A autora faz uma história em que você fica em dúvida em quem confiar até o final, afinal estamos falando das fadas e de seus acordos cruéis e palavras afiadas. Esse mistério dá um friozinho na barriga e te deixa torcendo para que a fada de que você gosta não seja o vilão da história.
As colinas do Mundo das Fadas são ocas por dentro, ela ouvira a Sra. Schröder dizer certa vez. Ocas como as promessas das Fadas. Todas feitas de ar e ilusão.”
Sinceramente, torci pelos humanos do começo ao fim. Nunca gostei de fadas e, depois de algumas leituras, até a Tinkerbell me dá raiva (como ninguém vê como ela é uma fada ruinzinha que quer ferrar com a Wendy?). Os personagens não são tão encantadores, mas em compensação, o universo do livro e a ação, que é muito presente, são ótimos, formando um perfeito equilíbrio.
Como todo conto de fadas, mesmo um dark, este livro te leva a um mundo encantado, com aventura, amor e um pouco de sangue e maldições.

“[...] Somos todos suscetíveis ao autoengano quando este nos é favorável.”

E por realmente ser encantada pelo tema, eu adorei a leitura e o tenho com grande carinho no meu coração.

Nota: 4

Comentários

  1. Se tem uma coisa que eu adoro é esse folclore das fadas. Adoro elas serem cruéis hahaha
    Ano passado quando esse livro foi lançado corri pra ler! Achei a história ótima, como você disse se nota toda a pesquisa feita pela autora, e adorei os personagens e fiquei com um gosto agridoce na boca pensando o que aguardaria eles no futuro. Sem falar que o projeto gráfico do livro é lindo!
    A Holly Black tá lançando outro livro sobre fadas e tt louca pra ele chegar aqui no Brasil!
    Outra série sobre fadas que eu gosto é Wicked Lovely. Não era bem o que eu achava quando comecei a ler, mas depois ele me pegou de um jeito que olha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Removi um comentário porque tinha cometido uma gafe kkkkk. Agora quero ler o livro da Holly Black e estou curiosa por essa série de livros.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …