Pular para o conteúdo principal

Resenha do livro Seis Coisas Impossíveis, de Fiona Wood (Editora Novo Conceito)

Uma leitura leve e gostosa que indiquei para a Dhuane. E ela leu e curtiu. então, a indicação para vocês dessa fofura de livro vem endossada por nós duas. Vejam abaixo, nas palavras dela, o que ela achou do livro :)



Dan levou uma cacetada atrás de outra da vida. A família faliu, o pai se assumiu gay, foi morar em uma casa tombada com cheiro de xixi, a mãe acaba com o próprio negócio e ele tem que suportar tudo isso enquanto enfrenta uma nova escola.

Para poder suportar tudo isso, cria uma lista de objetivos impossíveis:

1. Beijar a garota.
2. Arrumar um emprego.
3. Dar uma animada na mãe.
4. Tentar não ser um nerd completo.
5. Falar com o pai quando ele liga.
6. Descobrir como ser bom e não sair abandonando os outros por aí...

“E estou chorando de novo. Isso não pode ser saudável. Estou me afogando. Tudo parece tão implacável e impossível. É como tentar correr no solo sem nenhum atrito. Não posso depender de ninguém, não tem ninguém para resolver os problemas, ninguém para pagar a conta, sem soluções [...]”
"Seis Coisas Impossíveis" é um doce de livro. A leitura é rápida e fluída e o personagem principal é um amor. A autora foi excepcional em demonstrar um adolescente que teve que amadurecer rápido demais, mas que continua um adolescente, com todos os seus dramas e suas dúvidas. 
“Será que eu fui como um sapo que não percebe que a água está esquentando até ser tarde demais e ele virar sopa?”
Uma coisa que realmente é impossível é não se apaixonar por Dan e pela mãe dele, que lança um negócio de bolos de casamento e faz todas as clientes desistirem da cerimônia porque está em uma fase anti-casamento. Você quer que a mãe dele encontre a felicidade porque ela tenta de tudo para ter uma vida melhor, e ainda tem um coração grande o suficiente para perdoar o ex.

Os personagens secundários também são fofos. Desde o chefe mal-humorado de Dan, ao vizinho que mora no quintal e que é super descolado.

“Então, embrulhada ali, com o que quer que exista lá dentro, está também a esperança de que magicamente- e muito improvável e impossivelmente- meu pai possa me dar algo que faça tudo voltar ao normal. Enquanto o presente estiver fechado, a esperança estará viva.”

Você torce para que a relação entre Dan e o pai dê certo, porque no livro percebe-se o amor que emana de um para o outro, mas você entende também a rejeição de Dan, que se sente abandonado pelo pai. Sinceramente, eu esperei o livro todo para as coisas entre os dois darem certo.

O amor entre ele e a garota não é tão interessante ou legal, a única coisa que me desencantou na verdade foi essa paixão. Um, porque é uma paixão adolescente e paixões adolescentes sempre me irritaram desde sempre, outro porque a garota com quem o Dan quer ficar é irritante e mimada, outra coisa que me irrita. Mas as amizades e até o rival (bem no final) são bem desenvolvidas e divertidas.
Uma coisa que realmente é impossível é ao se apaixonar por Dan e pela mãe dele, que lança um negócio de bolos de casamento e faz todas as clientes desistirem da cerimônia porque está em uma fase anti-casamento. Você quer que a mãe dele encontre a felicidade porque ela tenta de tudo para ter uma vida melhor e ainda tem um coração grande o suficiente para perdoar o ex.
Os personagens secundários também são fofos. Desde o chefe mal-humorado de Dan, ao vizinho que mora no quintal e que é super descolado.

“Então, embrulhada ali, com o que quer que exista lá dentro, está também a esperança de que magicamente- e muito improvável e impossivelmente- meu pai possa me dar algo que faça tudo voltar ao normal. Enquanto o presente estiver fechado, a esperança estará viva.”

Você torce para que a relação entre Dan e o pai dê certo, porque no livro percebe-se o amor que emana de um para o outro, mas você entende também a rejeição de Dan que se sente abandonado pelo pai. Sinceramente eu esperei o livro todo para as coisas entre os dois darem certo.
O amor entre ele e a garota não é tão interessante ou legal, a única coisa que me desencantou na verdade foi essa paixão. Um, porque é uma paixão adolescente e paixões adolescentes sempre me irritaram desde sempre, outro porque a garota com quem o Dan quer ficar é irritante e mimada, outra coisa que me irrita.

Mas as amizades e até o rival (bem no final) são bem desenvolvidas e divertidas.
Claro que o livro tem alguns assuntos sérios, como a aceitação pelo pai, a dificuldade de ter uma vida boa e acabar com uma vida cheia de dificuldades, o desejo de, ao chegar em um lugar novo, querer mudar o jeito como se é visto, amadurecer rápido demais. Contudo, como dito anteriormente, o livro retrata tudo isso com leveza e sutileza.

“[...] esta é a minha grande chance de renovar minha antiga imagem e deixar esse lance de ser inteligente meio secreto. Eu sempre posso estudar sozinho mais a fundo, ou então desacelerar um pouco mesmo. Boiar, dar umas braçadas sem compromisso, tudo menos afundar...”

O livro é aquele tipo de leitura que devemos ter de vez em quando. Leve, divertida e que deixa um sorriso bobo colado nos seus lábios, que te deixa com um sentimento bom e que, quando acaba, te deixa decepcionado por já ter finalizado o livro.
Nota: 3

Comentários

  1. Geint! Li esse livro há anos, quando foi lançado, hehe, amei, mas só agora (tô me sentindo o Capitão América!) eu saquei a referência do título! :O "Ora, algumas vezes cheguei a acreditar em até seis coisas impossíveis antes do café da manhã!" - Alice - Através do Espelho. :3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …