Pular para o conteúdo principal

Resenha do livro Um de nós está mentindo, de Karen M. McManus (Editora Galera Record)



Bronwyn, a nerd que se compromete com tudo para passar em Yale e seguir a tradição da família.
Addy, a Barbie que só serve de troféu para o namorado.
Cooper, o atleta popular que é estilo Capitão América.
Nate, o bad boy criminoso que já foi preso.
Simon, o fofoqueiro criador de um app que revela os segredos dos colegas da escola.
Cinco entram na sala de detenção, mas apenas quatro saem com vida.
E o nosso desafio é ligar os pontos e descobrir quem é o assassino.

O Blog Bagulhos Sinistros tem uma fofoca quentinha para vocês. Soubemos que a K.M. escreveu um romance de estréia que ficou em primeiro lugar nas listas do The New York Times e para o nosso deleite, uma certa Galera publicou o livro aqui no Brasil.

“Um de Nós está Mentindo” é o tipo de livro que faz você emitir um “Awwwww, que fofo”, mesmo tendo uma morte nele. Fontes nos falaram que o livro também aborda diversos temas da atualidade.

“Não sei por que é tão difícil para as pessoas admitirem que, às vezes, são simplesmente babacas que fazem merda porque não esperam ser descobertas.”
(Não fui eu que disse, mas com certeza concordo 😖 )


Discussões como sexualidade, problemas familiares, perda da personalidade para ficar com outra pessoa, abuso em um relacionamento amoroso, depressão, uso de drogas, como um erro pode definir sua vida, entre outras coisas, vimos no livro. E o melhor de tudo é que é escrito de forma que você realmente sente empatia pelos personagens.

“-Todo mundo tem segredos- diz ele- Certo?”

E realmente todos temos certos segredos que queremos manter no escuro. Mas Simon, a jovem vítima do livro, adorava publicar em um app famoso de fofocas os segredos dos seus colegas da escola.
E, por meio de uma pegadinha, ele e outros quatros alunos que iam ter seus segredos publicados vão parar na detenção e ,infelizmente, Simon vai dessa para melhor (ou pior, espero eu).
Pelo que os policiais estão falando, foi assassinato. Mas qual, ou quais, dos jovens que estavam na sala foi o responsável? Será que a pobre vítima merecia? Todos estão chorando por sua morte... ou será que não?

Pelo que sabemos, alguns posts do Simon foram responsáveis por coisas terríveis, quase levando uma aluna a óbito por tentativa de suicídio. Também descobrimos que todos os alunos da escola tinham medo do “pobre” Simon porque ele se deliciava em revelar os segredos das pessoas e de destruir a vida delas.

“[...]- Você não fez nada de errado. Simon fez. Fez por anos, e agora todo mundo está transformando o cara num santo por causa disso. Você não tem nada contra isso?”



Os romances presentes no livro são suuuupeeeeer lindinhos. Nada forçado e, Amém, Pai, nada de triângulos amorosos que me matam um pouquinho cada vez que os encontro em livros que me encantam.

Os adolescentes foram bem retratados. Não vemos aquelas criaturas irritantes e egoístas que encontramos em algumas outras obras (não é verdade, senhor João Verde?), e sim seres humanos que estão passando por uma época complicada na vida, que fica mais complicada ainda com a morte do maior fofoqueiro da escola.

E as mulheres são fortes. Até a que está em um relacionamento abusivo fica forte. E infelizmente isso também é difícil de se encontrar em outros livros (sinto dizer, mas geralmente as personagens que alguns acham fortes são pessoas que simplesmente fazem o que querem sem se importar com a consequências. Ser forte é fazer o que se quer, de maneira certa e inteligente, e com a cabeça erguida para não deixar cair a coroa).

“Suspiro e encaro o teto. Não sou boa em passar por essas situações, provavelmente porque elas só ocorriam na minha mente.”

E por meio de sussurros, ouvimos que, com certeza vale a pena ler o livro. 

Mesmo o começo sendo meio parado, do meio para o final você simplesmente o devora. Os personagens também vão ficando cada vez mais complexos e deliciosos de se desvendar e o assassino sendo fácil de descobrir ou não (é fácil, vai por mim), a leitura é tão leve e trata de assuntos sensíveis de forma tão natural que vai fazer as pessoas se apaixonarem pelas 382 páginas do romance e temos alternações entre os pontos de vista dos personagens centrais, o que faz a leitura ser bem mais rápida, porque ficamos curiosos (como foi comentado no post da Ana Death aqui) como todo bom fofoqueiro!

“Eu finalmente me permito sorrir, e agora que comecei, não consigo parar. Mas não tem problema.”

Nota: 4 fofoquinhas do bem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …