Pular para o conteúdo principal

10 motivos para ler Saga



Saga é aquele quadrinho de que todo mundo já ouviu alguém falar bem, mas poucas pessoas leram e isso deve ser por causa do preço, que convenhamos, mesmo com um desconto maravilhoso no Black Friday na Amazon Brasil, é olho da cara, e a coleção até agora publicada aqui nas terras tupiniquins leva um rim da gente fácil, fácil. (Intervenção da Ana Death: Na verdade, custa um braço, uma perna e um irmão mais novo que eu não tenho #entenderamareferência? lol}
Contudo, Saga vale à pena, e sim, realmente é bom como a maioria do pessoal diz. Então aqui vou dar dez motivos para tentar te convencer a ir junto comigo ao mercado negro para vender um órgão não essencial e continuar a coleção.
   
      1. A história é maravilhosa e até o momento não decepcionou.

Saga é um das poucas HQs que começa interessante e, mesmo depois de umas dezenas de edições, ou cinco encadernados (aqui no Brasil), continua interessante. A história não para, sempre com novas emoções.

2. O desenho de Fiona Staples é lindo.

O traço é limpo, o desenho é lindo e isso te faz submergir mais ainda na história. O traço de Fiona te deixa confortável para ler e ler o quadrinho.

3. É aconselhável não se apegar a nenhum personagem, porque eles têm a mania de não permanecerem por muito tempo na história.

Quando houve a primeira morte eu não achei que continuaria acontecendo. Saga é o tipo de HQ que faz você se apegar aos personagens e depois os mata sem dó nem piedade. O pior de tudo que os personagens que morrem são o tipo que tinha total potencial para desenvolver uma história de tão interessantes que são.

4. Alana, uma das principais, se revolta contra o sistema e fica com o inimigo porque leu um livro que abriu os olhos dos dois.

É maravilhosa a lição que a HQ passou, não é? Alana e Marko são de duas raças que estão em guerra. Marko acaba como prisioneiro e Alana, sendo a guarda responsável, lia o livro para ele. Os dois entendem a mensagem que o livro quis passar e fogem juntos.
Ou seja, leiamos mais livros para que consigamos enxergar os erros ao nosso redor.

5. Outra mensagem maravilhosa é que na guerra os mais prejudicados são justamente aqueles que não deram início a ela.

Enquanto os nossos principais fogem junto com a filhinha pelo universo, observamos que está rolando uma guerra e esta guerra prejudica bem mais as pessoas inocentes do que aqueles que a começaram e que apenas desfrutam sua riqueza e seu poder.

6.  Mostra o lado bom e mau dos dois lados desta guerra.

Todos nós escolhemos vilões para nossas histórias, mas e quando esses vilões também apresentam um lado bom e uma justificativa para fazerem o que fazem, eles são tão ruins como imaginamos que eles sejam? Intervenção da Ana Death, é, de novo, rs: Teremos em breve um post sobre isso aqui, escrito por mim e traduzido pela Dhuane}
Adoro quando todos têm um lado humano e que nos faça simpatizar com as pessoas. Afinal, o que é mais assustador do que saber que seu inimigo tem sentimentos também?


7. A família principal é um amorzinho.

O amor da Alana e do Marko, tudo o que eles fazem para proteger a filha deles, os avós, a babá fantasma. São personagens pelos quais nos apaixonamos e com que simpatizamos, além de serem bem escritos, o que faz assim nos aproximarmos mais ainda deles.

8. Homofobia, Guerra, Prostituição de menores, uso de entorpecentes, entre outros assuntos sérios, são tratados na HQ.

Com aquelas capas lindas que a HQ tem, você nem imagina que ela trate de assuntos tão sérios como esses. Entretanto, Saga é bem profundo e isso que o torna tão bom. 

9. Os personagens são bem desenvolvidos.

Eles evoluem sempre, seja para o mal ou para o bem, talvez retrocedam para depois evoluir novamente, o importante é que Saga nos oferece um prato cheio de personagens com grandes personalidades.

10. O universo de Saga é super interessante.

Planetas, cidades, raças, e tudo apresentado nesse quadrinho que é uma mistura de fantasia, romance, ficção cientifica, até filosofia, nos encanta. Somos apresentados a um universo super criativo que tem um potencial gigantesco de ter histórias e mais histórias sobre ele.



No mais, Saga já venceu vários prêmios, como: três Eisner Awards, seis Harvey Awards, o Hugo Award pela Melhor História Gráfica e o British Fantasy Award para Melhor Novela Gráfica em 2013, além de mais dois Eisner Awards por Melhor Colorista e Melhor Série Continuada, em 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …