Pular para o conteúdo principal

Crítica do filme Sombras da Vida (A Ghost Story), de David Lowery e por que vale a pena vê-lo


Um homem recém falecido volta como um fantasma de lençol branco para consolar sua esposa.

Com essa simples sinopse nos aventuramos a assistir ao filme. A primeira coisa em que pensamos é que vai ser um filme amargo que vai tirar lágrimas da gente. A segunda coisa em que pensamos é que vamos desligar a TV e fazer alguma coisa mais interessante.

O filme é parado. Tem momentos em que ficamos minutos vendo o personagem não fazer nada ou fazendo a mesma coisa repetidas vezes. Também temos longos momentos sem nenhum tipo de som. Observamos um fantasma de lençol observando sua esposa.

A parte mais interessante no começo é ele encontrando uma fantasminha na casa vizinha.

Por 30 minutos, a história não parece andar, mas quando ela começa, tudo faz sentido.

O tempo não passa para o fantasma, vemos tudo ao redor dele mudar e ele continuar o mesmo. Nesse momento, percebemos porque o filme é parado no começo. Para que sintamos o mesmo, que tudo ao nosso redor passa, mas ficamos estagnados. E é nesse sentimento que acabamos nos apegando aos fantasmas.

Ambos esperam por alguma coisa. A fantasminha, por alguém de quem  ela nem se lembra, e o principal, por algo que não sabemos.

Sentimos a dor deles, sentimos sua solidão, sentimos sua aceitação, sentimos sua morte.

Quando começa a ter sons, ficamos tensos ou esperançosos, porque sabemos que algo vai acontecer.

E no fim do filme, realmente são arrancadas lágrimas de nossos olhos. Aquilo que era desinteressante se torna de uma sensibilidade tão profunda que chega a ser impossível não se sentir abalado.

Assuntos como amor, perda, a necessidade de se conectar com alguém, o sentido daquilo que te prende em um momento, a aceitação e a evolução a partir deste momento, o significado da existência e o tempo são discutidos em uma obra de arte que parece tão simples, mas que assusta com o decorrer da história.

Talvez seja menos assustador enfrentar um fantasma do que esses assuntos que nos cercam.
E com um filme tão pouco conhecido, me surpreendo lindamente.

Nota: 4 fantasminhas

Observação da Ana: Considerado por uns tantos o melhor filme do ano, não passou no cinema. Disponível em home video. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …