Pular para o conteúdo principal

HAFIS & MARA: Filme de Abertura do Sétimo Festival do Cinema Suíço Contemporâneo



Documentário sobre o artista suíço-libanês Hafis Bertschinger e sua esposa e patrona Mara. Com um olhar bem intimista, o diretor Mano Khalil acompanha Hafis em algumas viagens e no seu dia a dia no ateliê e segue também Mara em sua rotina doméstica. Entrevistas com o casal do título, ora individualmente, ora juntos, completam o pacote. O resultado? Um filme tocante.

Filme de abertura do 7º Panorama do Cinema Suíço Contemporâneo, o documentário “Hafis & Mara” foca no período final da vida dos protagonistas, que, conduzidos pelas perguntas do cineasta, analisam suas vidas e falam um pouco das experiências que tiveram até aquele momento. Estando ambos na casa dos oitenta anos, o futuro é algo sem importância para eles. Mas revirar o baú de memórias é algo delicado, já que, em meio a doces lembranças, certamente haverá momentos dolorosos de se lembrar.

E isso fica bem claro especialmente quando Mara fala de suas escolhas e do peso que elas tiveram em sua trajetória. Ela, que era uma jovem apaixonada por arte e acostumada a viver na fervilhante Paris nos anos 60, se apaixona pelo belo e talentoso pintor cheio de ideais românticos. Por amor, ela o segue e vai morar numa cidadezinha minúscula na Suíça. Por amor, ela embarca no sonho dele, ela financia a arte dele, ela passa a vida preservando o acervo dele, ela se conforma com sua existência pacífica e doméstica, cuidando da casa e vivendo apenas através dele, do que ele lhe conta de suas viagens, dos trabalhos que ele produz diariamente e lhe mostra no fim do dia. Sim, foi uma escolha dela e não tenho dúvida de que eles tenham tido momentos felizes, mas, no fim, é visível certos arrependimentos.

Hafis aparece criando, conversando com o filho (que teve antes de conhecer Mara), viajando para lugares longínquos como Gana (aliás, essa foi uma das partes de que mais gostei – uma história de caixões temáticos maravilhosa!) e voltando à casa em que nasceu, no Líbano. Ele também enfrenta conflitos ao se deparar com as ruínas do edifício e com um país arrasado por guerras: será que deveria ter ficado com seus familiares libaneses e tentado uma vida ali, ou então os levado para morar na Suécia, para que não tivessem que enfrentar aqueles momentos conturbados? E o filho, que ele sempre quis ter, mas só passou a ver com regularidade quando o garoto já tinha 11 anos de idade? Ele deveria ter sido mais presente no início, mesmo que isso significasse abrir mão de sua arte?

Enfim... escolhas sempre tão difíceis. Às vezes achamos que estamos fazendo o melhor em determinada ocasião, mas tempos depois nos perguntamos ‘e se...’. “Hafis & Mara” é a essência da humanidade, nossas dúvidas existenciais, nossos erros e acertos, nossas fragilidades diante da velhice, nossa vontade de deixar marcas de nossa existência nesta terra. Dois personagens da vida real que incorporam e ilustram tão bem nossas contradições. Uma história de amor entre duas pessoas. Uma história de amor à arte. Contada com uma simplicidade tocante. Deixem um lencinho à mão.

Nota: Quatro bisnagas de tinta.

************** 
7º Panorama do Cinema Suíço Contemporâneo
Longas, curtas, documentários, ficções e filmes experimentais recentes e inéditos no Brasil. 
De 09 a 16 de maio no Cinesesc, e de 09 a 21 de maio no CCBB-SP. 
De 22 de maio a 10 de junho no CCBB-DF e 30 de maio a 18 de junho no CCBB-RJ.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA EM SÃO PAULO

09 de maio (quarta-feira)
20h30 – HAFIS & MARA (Filme de Abertura + Debate com o diretor Mano Khalil)

10 de maio (quinta-feira)
16h10 – A FÚRIA DE VER (La Fureur de Voir)
18h00 – EU NÃO TENHO IDADE (PARA TE AMAR) (Non Ho l’Età)
19h30 – AMARRADOS (Encordés)
21h30 – PARZIVAL (Parzival) + DIÁRIO DA MINHA CABEÇA (Journal de Ma Tête)

11 de maio (sexta-feira)
16h10 – AO LARGO (Au Large) + TELEVISÕES (Televisionen)
18h00 – SOBRE OVELHAS E HOMENS (Des Moutons et des Hommes)
19h30 – DEPOIS DA GUERRA (Dopo la Guerra)
21h30 – ENCONTRO ÀS CEGAS (Einfach So) + GOLIAS (Goliath)

12 de maio (sábado)
16h10 – EU SOU A GENTRIFICAÇÃO. CONFISSÕES DE UM CANALHA (Die Gentrifizierung Bin Ich. Beichte Eines Finsterlings)
18h00 – A BATALHA DE SÃO ROMANO (La Bataille de San Romano) + COPIAR COLAR DELETAR (Copy Paste Delete)
19h30 – HAFIS & MARA (Hafis & Mara) + Debate com o diretor Mano Khalil
21h30 – O TRIBUNAL DO CONGO (Das Kongo Tribunal)

13 de maio (domingo)
16h10 – EU NÃO TENHO IDADE (PARA TE AMAR) (Non Ho l’Età)
18h00 – DIÁRIO DA MINHA CABEÇA (Journal de Ma Tête)
19h30 – O SOM DA VOZ (Der Klang der Stimme)
21h30 – ENTRE TERRAS (Between Lands) + BEM-VINDO À SUÍÇA (Willkommen in der Schweiz)

14 de maio (segunda-feira)
16h10 – CASA SON DUNO (Casa Son Duno) + A FÚRIA DE VER (La Fureur de Voir)
18h00 – AO LARGO (Au Large) + TELEVISÕES (Televisionen)
19h30 – NO RITMO (In Takt) + SOBRE OVELHAS E HOMENS (Des Moutons et des Hommes)
21h30 – COPIAR COLAR DELETAR (Copy Paste Delete)

15 de maio (terça-feira)
16h10 – AMARRADOS (Encordés)
18h00 – BEM-VINDO À SUÍÇA (Willkommen in der Schweiz)
19h30 – EU SOU A GENTRIFICAÇÃO. CONFISSÕES DE UM CANALHA (Die Gentrifizierung Bin Ich. Beichte Eines Finsterlings)
21h30 – DEPOIS DA GUERRA (Dopo la Guerra)

16 de maio (quarta-feira)
16h10 – NO RITMO (In Takt) + A BATALHA DE SÃO ROMANO (La Bataille de San Romano) + CASA SON DUNO (Casa Son Duno) + ENCONTRO ÀS CEGAS (Einfach So) + ENTRE TERRAS (Between Lands) + REBOBINAR O FUTURO (Rewind Forward)
18h00 – GOLIAS (Goliath)
19h30 – PARZIVAL (Parzival) + DIÁRIO DA MINHA CABEÇA (Journal de Ma Tête)
21h30 – O SOM DA VOZ (Der Klang der Stimme)

09 de maio (quarta-feira)
17h00 – TELEVISÕES (Televisionen)
19h30 – A FÚRIA DE VER (La Fureur de Voir)

10 de maio (quinta-feira)
15h00 – PROGRAMA DE CURTAS I *
16h30 – EU NÃO TENHO IDADE (PARA TE AMAR) (Non Ho l’Età)
18h30 – HAFIS & MARA (Hafis & Mara) + Debate com o diretor Mano Khalil

11 de maio (sexta-feira)
15h00 – EU SOU A GENTRIFICAÇÃO. CONFISSÕES DE UM CANALHA (Die Gentrifizierung Bin Ich. Beichte Eines Finsterlings)
17h00 – ANIMAIS (Tiere)
19h30 – SOBRE OVELHAS E HOMENS (Des Moutons et des Hommes)

12 de maio (sábado)
15h00 – BEM-VINDO À SUÍÇA (Willkommen in der Schweiz)
17h00 – O SOM DA VOZ (Der Klang der Stimme)
19h00 – BE’ JAM BE ESSE CANTO NUNCA TERÁ FIM (BE’ JAM BE et Cela n’Aura pas de Fin)

13 de maio (domingo)
15h00 – PROGRAMA DE CURTAS II **
16h30 – GOLIAS (Goliath)
18h30 – DEPOIS DA GUERRA (Dopo la Guerra)

14 de maio (segunda-feira)
17h00 – PROGRAMA DE CURTAS I *
19h00 – AMARRADOS (Encordés)

16 de maio (quarta-feira)
17h00 – EU SOU A GENTRIFICAÇÃO. CONFISSÕES DE UM CANALHA (Die Gentrifizierung Bin Ich. Beichte Eines Finsterlings)
19h30 – DIÁRIO DA MINHA CABEÇA (Journal de Ma Tête)

17 de maio (quinta-feira)
15h00 – TELEVISÕES (Televisionen)
17h00 – EU NÃO TENHO IDADE (PARA TE AMAR) (Non Ho l’Età)
19h30 – A FÚRIA DE VER (La Fureur de Voir)

18 de maio (sexta-feira)
15h00 – AMARRADOS (Encordés)
17h00 – HAFIS & MARA (Hafis & Mara)
19h30 – O SOM DA VOZ (Der Klang der Stimme)

19 de maio (sábado)
15h00 – PROGRAMA DE CURTAS II **
17h00 – ANIMAIS (Tiere)
19h00 – BEM-VINDO À SUÍÇA (Willkommen in der Schweiz)

20 de maio (domingo)
15h00 – BE’ JAM BE ESSE CANTO NUNCA TERÁ FIM (BE’ JAM BE et Cela n’Aura pas de Fin)
17h00 – GOLIAS (Goliath)
19h00 – DIÁRIO DA MINHA CABEÇA (Journal de Ma Tête)

21 de maio (segunda-feira)
17h00 – DEPOIS DA GUERRA (Dopo la Guerra)
19h30 – SOBRE OVELHAS E HOMENS (Des Moutons et des Hommes)

* PANORAMA DE CURTAS I:
REBOBINAR O FUTURO (Rewind Forward), ENTRE TERRAS (Between Lands), NO RITMO (In Takt), CASA SON DUNO (Casa Son Duno) e A BATALHA DE SÃO ROMANO (La Bataille de San Romano)
** PANORAMA DE CURTAS II:
AO LARGO (Au Large), ENCONTRO ÀS CEGAS (Einfach So) e PARZIVAL (Parzival)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …