Pular para o conteúdo principal

Festival Varilux de Cinema Francês: Começou!



Em sua nona edição, o evento traz para o Brasil 21 filmes, sendo 20 produções contemporâneas dos mais variados gêneros e 1 clássico, “Z”, do diretor grego Costa-Gavras, que este ano completa 50 anos de seu lançamento.

A principal novidade deste ano é a parceria com o Sesc, o que possibilitou ampliar o número de cidades contempladas pelo festival (agora são 88 vs 56 da edição anterior), oferecendo diversas sessões gratuitas em 29 unidades selecionadas, democratizando, assim, o acesso da população brasileira ao melhor do cinema francês.

Na última quarta-feira, dia 6 de junho, foi realizada a coletiva de imprensa no teatro da Aliança Francesa, em São Paulo, ocasião em que, além da delegação composta por Jérémie Renier, que chega ao festival mostrando seu trabalho de ator em "O amante duplo" e codirigindo o suspense “Carnívoras” ao lado do irmão, Yannick Renier, também presente no evento, junto com a atriz Zita Hanrot, que atua no longa em questão. Representando o filme “O poder de Diane” estavam o diretor Fabien Gorgeart e a atriz Clotilde Hesme, enquanto o diretor Nabil Ayouch e a atriz e roteirista Maryam Touzani vieram mostrar o “Primavera em Casablanca”. O ator Finnegan Oldfield, de “Marvin”, completava o time estrangeiro. Também subiu ao palco a atriz e produtora Letícia Spiller, a primeira embaixadora da Varilux no Brasil.

No bate-papo, os artistas falaram de seus trabalhos e responderam a perguntas da plateia. O ator Jérémie Renier, por exemplo, comentou brevemente sobre sua carreira no teatro e contou como foi dirigir um filme ao lado do irmão, Yannick. Segundo ele, foi uma boa experiência, já que, muitas vezes, eles se entendiam sem nem precisar de palavras.

Além dos momentos descontraídos, houve também conversa séria. A atriz Maryam Touzani falou sobre as dificuldades de ser mulher no Marrocos, o que a motivou a criar a personagem Salima, de “Primavera em Casablanca”, que só pode ser quem realmente é dentro de casa. Segundo a atriz, a situação feminina na sociedade atual parece estar piorando, e é necessário tomar uma atitude antes que seja tarde demais. Seu companheiro de equipe, o diretor Nabil Ayouch, falou sobre censura e sobre como a arte e a cultura são ferramentas para mudar o mundo.

O Festival Varilux de Cinema Francês vai de 7 a 20 de junho. Consulte o site para conhecer os filmes e ver os horários e salas de exibição nas diversas cidades que participam desta edição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …