Pular para o conteúdo principal

Seria Hereditário O Exorcista da nova geração?



O novo filme de terror que dizem ser O Exorcista da nova geração, assusta, mas não supera o clássico de 1973. O filme vai lembrar bastante A Bruxa, adorado pela crítica, odiado pela maioria do público.
O filme tem um ritmo lento, sem pressa de mostrar o verdadeiro horror, deixando o público tenso, desconfortável, curioso e com medo do que está por vir.

Imagem relacionada

O diretor Ari Aster consegue construir o terror através da atmosfera e dos acontecimentos que ocorrem com os personagens, sem apelar para o jump scare, ele usa referências de outros filmes do gênero como, o próprio O Exorcista, A Chave Mestra, sabendo sempre como executá-los sem parecer cópia do mesmo, uma dessas referências é do filme O Bebê de Rosemary, onde ele usa o elemento da desconfiança, o público sabe que está acontecendo algo estranho, mas não sabe o que é, e por que isso está acontecendo, e isso faz com que o público fique cada vez mais desesperado, com medo de saber a resposta.



O roteiro tem um ótimo trabalho de mise en scène, apresentando aos poucos elementos importantes para o desenvolvimento da historia, constrói um clima de desconforto entre os personagens devido a acontecimentos do passado que ocorreram entre eles, a uma cena que ocorre durante um jantar, onde um personagem não olha no rosto do outro, e um grande desabafo revoltante só faz aumentar ainda mais o desconforto dos personagens e do público. O filme perde um pouco o ritmo com uma cena de sonho dentro de um sonho que no início estava interessante.


O filme mexe com elementos espirituais clichês, mas o roteiro consegue executá-los muito bem, provocando arrepios e sustos. A cena da sessão espírita é bem feita, mas acaba ficando um pouco cômica no final.


A interpretação dos atores está excelente, com destaque para Toni Collete, protagonista do filme, que mostra que a personagem se culpa por vários acontecimentos de sua vida envolvendo a própria família. Ela é a personagem mais assustada com tudo que está acontecendo, a ponto de ser perturbador para o público. O filme marca a estreia da atriz Milly Shapiro, que passa o medo para o público com um som que ela faz com a boca, além de causar estranheza com um olhar fixo.

Hereditário | ‘Um filme traumatizante’, confira o trailer legendado e a data de estreia do filme que está sendo elogiado pelos críticos

O twist é cheio de revelações inesperadas e perturbadoras, que vai deixar o público aterrorizado.

Hereditário não chega a ser o novo O Exorcista, mas ele é perturbador, desconfortável, tenebroso, e tudo isso sem o uso de jump scare e gore, um dos melhores filmes de terror do ano.

NOTA: 8 sustos tenebrosos e meio 

Trailer:










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …