Pular para o conteúdo principal

No Olho do Furacão, um filme de terror... digo, de ação, de Rob Cohen (Diretor de Velozes e Furiosos... era de se esperar)

Um grupo de ladrões planejam roubar 600 milhões de dólares do Tesouro Americano durante um furacão de categoria 5, apenas um meteorologista, uma agente do Tesouro Americano e um ex-fuzileiro naval tentam impedir o assalto. Juntos, eles precisam não apenas sobreviver à maior das tempestades, mas também impedir o roubo do século.
No Olho do Furacão não e só um filme sobre um assalto durante uma catástrofe natural, o filme em si é uma catástrofe.

O filme tenta se levar a sério, mas o roteiro mal escrito e preguiçoso acaba não sendo, os personagens tomam atitudes totalmente sem sentindo em horas de perigo extremo, alguns objetos são destruídos pelo furacão em certas circunstâncias, outros não, já que pertencem aos protagonistas da história.

Os vilões são fracos e as atitudes deles são muito previsíveis e muitas delas não fazem o menor sentido.

Existem vários furos no roteiro, a estrutura é bem problemática, e ele faz questão de manter o suspense para revelar os vilões, mas eles são logo entregues por sua aparência. Os diálogos são muito fracos, como se tivessem sido escritos pouco tempo antes de filmarem, e as interpretações, embora algumas delas fossem razoáveis, não conseguem salvar a cena.


O que chama a atenção são os grandes nomes no elenco, como Maggie Grace, Toby Kebbell, Ralph Ineson, que tentam fazer o máximo que podem com os seus personagens, mas o péssimo roteiro e a direção fraca fazem com que eles fiquem genéricos e suas atitudes, entediantes.


O filme também tenta abordar um tom mais sobrenatural no início, mas que é logo deixado de lado, e retomado no final do terceiro ato.


No Olho do Furacão é o pior tipo de blockbuster que existe, é um filme em que não precisamos pensar para assisti-lo, e só desligar o cérebro e ver o filme, superficial, com ação o tempo todo, cortes que fazem com que quase não consigamos acompanhar a ação dos personagens, que tenta agradar todo mundo, mas só consegue manter o público entediado.

Nota: um 0 redondo como o olho do furacão.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …