Pular para o conteúdo principal

Paris 8. O que está acontecendo com o cinema atual? Um filme de Jean-Paul Civeyrac


Jean Paul Civeyrac faz sua estreia no Brasil com o longa Paris 8, de forma pedante e apática. Etienne (Andranic Manet) é um jovem francês apaixonado por filosofia e cinema, que abre mão a vida no interior, sua namorada e família a fim de ir estudar a sétima arte na cidade luz, mais precisamente na prestigiada universidade Paris 8.
O filme levanta a questão do esgotamento de criatividade sofrido pelos aspirantes a diretores e critica a industrialização do cinema francês, porém se entrega ao próprio clichê, com o uso de personagens jovens, bonitos e descolados, vivendo a vida como grandes entendedores de filosofia, lamentando a vida e toda essa baboseira. Há de se dar valor as lamentações do protagonista, de fato suas angústias de jovem, que tem medo do futuro, são pertinentes, mas a narrativa usada por Civeyrac torna o filme pedante, por meio de referências filosóficas e literárias chochas, buscando dar um ar intelectual ao filme.


Mathias (Corentin Fila) é o intelectual chatão, que acha todo filme ruim, apenas critica, mas por fim não faz suas próprias produções. Sinceramente é difícil entender se Civeyrac pretende com a narrativa e seus personagens fazer uma sátira, produzindo algo próximo daquilo que critica, ou não percebeu que só fez mais do mesmo (se referindo ao cinema industrial francês).
Talvez o filme se torne tão maçante devido ao seu foco, assumindo a aura do protagonista, um personagem sem sal, meio morto. Isso torna o longa, realmente muito longo (permita-me o trocadilho), já que Etienne demora a tomar suas atitudes. Mas nem tudo é ruim no protagonista, ele esbanja charme, algo que seduz o público e os outros personagens, isso desperta nele um certo narcisismo, que foi muito bem explorado pelo diretor. Neste ponto, cabe o elogio, já que de fato essa crítica é muito bem vinda, deve ser escancarada a maneira pretensiosa como os jovens artistas vivem.


Deixando de lado toda a narrativa de Paris 8, devemos aplaudir a arte do longa. Achei excelente a fotografia de Pierre-Hubert Martin, que ao usar o preto e branco aumenta a aura pesada que o filme busca. As locações parisienses são sempre de tirar o fôlego.
Civeyrac, enfim, consegue passar sua insatisfação com a industrialização do cinema, também evidencia as angústias de um jovem estudante cheio de ambições que se vê imerso nessas discussões. Porém, repete aquilo que critica e não deixa claro se isso era proposital ou realmente não conseguiu fugir do que é mais simples.


Nota: 3 livros de filosofia


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …