Pular para o conteúdo principal

A Noite Devorou o Mundo, um filme de Dominique Rocher



Sam é um escritor de 36 anos, solitário e anti-social. Uma noite, ele vai a uma festa organizada por Fanny, uma jovem que ele cobiça, no apartamento parisiense. Durante a festa, após falhar em sua tentativa de seduzir Fanny, ele adormece sozinho numa sala isolada. Na parte da manhã, o apartamento está vazio e as ruas, repletas de zumbis.



A Noite Devorou o Mundo é um filme francês de zumbi inspirado no livro homônimo escrito por Pit Agarmen.  

Em uma época em que estamos saturados de filmes, séries, HQs e livros de zumbis, não esperamos nos surpreender com uma história desse tema. Felizmente, A Noite Devorou o Mundo apresenta uma perspectiva diferente e prende a atenção do espectador.

Estamos acostumados com aqueles filmes de ação em que os personagens correm atrás de uma cura ou por suas vidas, sempre correndo, sempre perdendo alguém. Por isso pode haver duas reações ao filme.

A primeira é a decepção, porque ele não segue essa linha de filmes cheios de ação.

A segunda é o interesse, pois foge do que estamos acostumados.


Temos um filme que trata com certa delicadeza a condição humana. Vemos a preocupação de Sam com os familiares. Sua preocupação pela mãe que nunca passaria por cima de ninguém e que, de acordo com ele teve uma morte digna, igual à de todas as outras pessoas.

Também notamos que não foram só os humanos que perderam alguma coisa. Os zumbis também. Para isso, foi utilizado o zumbi Alfred que fica preso junto com nosso protagonista  e é sua única companhia durante um tempo. Pelo Alfred nos é mostrado que mesmo mortos-vivos também estão perdidos, como os humanos.

A solidão também é outro tópico bem manejado no filme. Como o personagem vai ficando cada vez mais perturbado com o passar do tempo. Como ele tenta viver uma vida normal mesmo estando sozinho, mas mesmo assim é atingido. Mesmo sendo pouco social e sozinha, será que a pessoa realmente conhece a verdadeira solidão?

O medo e a pressão que Sam sofre também são muito bem demonstrados. E o respeito pelos outros seres humanos que ele encontra mortos e mesmo assim realiza um funeral simples, mas cheio de representatividade e sentimento.

Ou seja, A Noite Devorou o Mundo é pouco filme de zumbi e muito filme filosófico. Ele apenas se aproveitou de um tema para se aprofundar em outros temas bem mais complexos e por isso achei surpreendente.


Surpreendente, mas não consideraria um ótimo filme. Mesmo sendo filosófico, não chega a ser um filme que inova nas questões. Como dito antes, não apresenta praticamente ação nenhuma e passa em grande parte em um monólogo de Sam.

Tendo apenas dois momentos que podem ser considerados ápices do filme, as sua 1 hora e 40 minutos parece levar bem mais tempo.

E o final é decepcionante, mesmo entendendo muito bem o que ele quis passar, ao chegar nele a única coisa que passou pela minha cabeça foi: “É só isso?”. E sim, era só aquilo.
Por sorte temos uma sonografia maravilhosa. As músicas deram vida (vida, huh? Em um filme de zumbi... rsrsrs) ao filme.


A Noite Devorou o Mundo é um filme interessante de se assistir quando não se tem nada para fazer. Mas é um filme que será assistido apenas uma vez, porque não é tão interessante assim para ser revisto.

Nota: 2 corpos encontrados no caminho.

P.S.: Tive a oportunidade de ler um pedaço do livro (apenas dois capítulos) e se ele for escrito daquele jeito do começo ao final eu super indico apenas assistir ao filme e fugir da obra literária.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …