Pular para o conteúdo principal

Coletiva de imprensa de "O Nome da Morte": Resumo da Ópera



O longa brasileiro “O nome da morte”, de Henrique Goldman, entra em cartaz no dia 2 de agosto, e nós do Bagulhos Sinistros estivemos na coletiva de imprensa para entender um pouco melhor as ideias do diretor, saber como os atores Marco Pigossi e Fabíula Nascimento encararam seus personagens e ainda ouvir do autor Klester Cavalcanti um pouco do processo de desenvolvimento do livro homônimo que deu origem ao filme. 


A produção conta a história de Júlio Santana (Marco Pigossi), pistoleiro que registrou em seu caderno a incrível marca de 492 mortes, possibilitando para o espectador a experiência de enxergar a realidade do Brasil profundo. Um país que registra altos índices de violência e onde o acesso à educação ainda é uma coisa rara. O protagonista diz ser difícil defender seu personagem, pois seus atos são de fato condenáveis, porém ele ainda é uma vítima da falta de acesso à cultura e educação, uma das mazelas da população mais carente de nosso país. 

A trama é inspirada na história real de Júlio Santana, que ainda é vivo, mas está foragido. Sua trajetória é contada no livro do jornalista Klester Cavalcanti, que conseguiu autorização para divulgar os nomes reais dos personagens, incluindo as vitimas e mandantes, por contato direto com o matador. Seu objetivo ao descrever os fatos é mostrar o lado humano do personagem. “O Júlio é uma cara carinhoso, respeitoso com a mulher e com a família, adora o filho”, lembra o autor. 



Também é lembrado que, para Júlio, ser pistoleiro não foi uma escolha, mas sim uma condição, “ele não tem prazer em matar, não é um serial killer, ele é profissional”, pontua Klester. Ainda assim não é possível defender as ações do matador, porém Pigossi levanta a questão, “Onde começa a responsabilidade da sociedade e onde acontece a do individuo?”. Será que um garoto do interior do Tocantins se tornaria pistoleiro caso tivesse acesso a educação de qualidade? 

Outro ponto discutido na coletiva foi a banalidade do mal. Ora, não haveriam pistoleiros se não houvesse mandantes. Ainda existem pessoas que colocam a morte como a solução de suas crises, e isso não acontece apenas nos interiores do país. O próprio Júlio realizou trabalhos em grandes capitais como Brasília e São Paulo. Essa realidade está muito próxima de nós, como o caso da vereadora Marielle Franco, assassinada em março deste ano, no Rio de Janeiro. A chamada “Indústria da Morte” não se resume aos matadores, ainda existe por trás disso a produção bélica e a construção de discursos altamente violentos na mídia e politica. 


É muito importante que a arte e a cultura brasileira continuem trazendo à tona essa situação tão presente e muitas vezes ignorada que vivemos, principalmente em momentos como o de agora em que discursos de ódio estão crescendo cada vez mais. Se um homem consegue matar quase 500 pessoas em um país que proíbe o porte de armas, imaginem se qualquer um pudesse ter uma. Será que a profissão de pistoleiro seria necessária?

- Bruno Machado Roque (Texto e Fotos)
- Adriana Mônaco (Edição de Fotos)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …