Pular para o conteúdo principal

Documentário: Bergman – 100 anos – A trajetória de um dos maiores artistas do século XX



Em 2018, o brilhante diretor sueco Ingmar Bergman (1918 – 2007) completaria 100 anos, por isso, no mês de julho, foram realizadas muitas exposições, mostras e homenagens a esse artista considerado um dos mais importantes e influentes do século passado.  Entre os tributos ao diretor está o documentário Bergman – 100 anos, da diretora Jane Magnusson, que trabalha de forma habilidosa, não poupando o expectador das contradições do diretor, que embora glorioso em seus trabalhos, mantinha uma vida pessoal agitada. 


O filme se dedica a explorar o ano de 1957, algo que achei incrível. Esse foi o ano em que Bergman conquistou total liberdade para realizar seus trabalhos, sem a interferência de produtores, tornando-se o ano mais produtivo do diretor. Porém, sua vida pessoal estava em um ritmo frenético. Já nesse ano, o diretor tinha seis filhos, com três mulheres diferentes. Jane não nos poupa de saber que, embora engenhoso, Bergman também era um homem transtornado e mulherengo, herança de sua infância quando vivia com um pai extremamente autoritário e religioso. Tal fato foi o principal influenciador do filme Fanny e Alexander (1982), principal exemplo de sua obra “autobiográfica”, que retrata a vida de um casal de irmãos, filhos de um pai muito religioso.



Embora Bergman tenha usado suas experiências para desenvolver sua obra, ainda há muita dúvida sobre a veracidade de seus relatos, tanto em seus filmes quanto em seus textos, já que o diretor confessou ser criativo quanto a descrever sua biografia. 

Jane demonstra o sucesso do ano de 1957 de maneira excelente, sem esconder que a receita para tal exigiu um nível enorme de dedicação e stress do diretor. O resultado foram algumas de suas mais conhecidas obras: O sétimo Selo e Morangos Silvestres, além da produção de quatro peças. No documentário, além dos tradicionais depoimentos de amigos e familiares, há um incrível acervo de vídeos de Bergman nos sets de filmagem e uma coleção de entrevistas do diretor, o que o torna excelente na construção de sua imagem. 



Não tem como não admirar a trajetória de Bergman, mesmo após saber de seus transtornos e até mesmo descobrir que ele flertou com o nazismo. Sua obra é autêntica e genial, fazendo dele o cineasta mais premiado até hoje, incluindo a exclusividade de ganhar a palma das palmas, o maior prêmio de Cannes. O documentário de Jane Magnusson é engenhoso e acerta em explorar o melhor ano na carreira do diretor. 

Nota: 5 Bolachas Maria * (5 de 5)

Por: Bruno Machado Roque



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …