Pular para o conteúdo principal

Egon Schiele – Morte e a Donzela, um filme de Dieter Berner



Baseado na vida do artista Egon Schiele, o filme conta como o jovem pintor, através de sua arte ousada e provocativa, causou grandes escândalos e ao mesmo tempo, interesse pelo publico por sua arte.

O ritmo do filme é bem equilibrado, mesmo nas cenas com mais ação dos personagens, mas isso não deixa o filme parado ou cansativo, o trabalho de roteiro permite que a ação dos personagens seja direta, mostrando sempre o que é mais relevante e importante para a história, sem pressa, mostrando o relacionamento com cada musa que passou pelo artista. O ritmo se perde um pouco apenas no primeiro ato do filme, quando há  um pulo temporal entre uma de suas musas para outra, que deixa algo um pouco implícito, e uma parte desse assunto é respondida mais para o final do filme, mas não totalmente.

O roteiro também dá várias pistas falsas sobre algumas intenções dos personagens, como a relação do artista com a irmã, que chega a ser um pouco confusa. Pode-se notar que eles são bem próximos, mas deixa uma falsa incerteza se eles têm um relacionamento maior do que o relacionamento de irmãos.
Resultado de imagem para Egon Schiele Morte e Donzela

Egon Schiele (interpretado por Noah Saavedra) é mostrado de forma humana, mostrando seu lado talentoso, seu amor pela sua arte, e também seu lado desprezível e machista, tratando suas musas com frieza e indelicadezas, colocando sempre sua arte em primeiro lugar, fazendo delas apenas um objeto de cena para suas obras, mesmo sendo motivo de inspiração para ele.

Imagem relacionada
A montagem é composta principalmente por vários flashbacks que em alguns momentos fica confuso o que está ocorrendo, mesmo o público diferenciando o tempo presente do filme com o que já tinha acontecido no passado, esse tempo passado raramente se encaixam com o pensamento dos personagens no presente.
Resultado de imagem para Egon Schiele Morte e Donzela

O filme talvez não surpreenda o publico que já conhece a historia do artista, mas é interessante, não chega a ser comovente, é bem vago e deixa a desejar.

NOTA: 4 obras expressionistas e meia.








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …