Junji Ito- Fragmentos do Horror (Editora Darkside)


Junji Ito- Fragmentos do Horror é o primeiro mangá de terror publicado pela Editora Darkside. E, como sempre, a Editora já começa sua primeira publicação de mangá com dois pés no peito. Primeiro porque Ito é um mangaká (autor de mangá) famoso, com o qual possivelmente qualquer fã de mangá de terror já teve o prazer (ou desprazer) de cruzar. E segundo porque a edição do mangá está maravilhosa.

Com capa dura e verniz transparente em desenhos que remetem a um conto da obra, não tem como não se encantar com a edição que temos em nossas mãos e não ficar animado e esperançoso para um possível segundo volume.

Já sobre os contos, não tem nada muito de assustador. Verdade seja dita, Ito é um autor de gore, subgênero do horror em que se têm cenas violentas, com muito sangue, vísceras, etc. O horror dele é feito para chocar.

E é exatamente como ficamos ao ler a edição. Chocados.
Para se ter uma ideia rápida, em um dos contos, a cabeça da pessoa é cortada e, para ficar vivo, o personagem deve mantê-la na posição correta. Por isso ele não mexe a cabeça. Para fazê-lo se mexer, uma bruxa coloca uma barata na linha do pescoço e na cabeça e é a barata que fica se movimentando. Assustador? Não. Gore? Com certeza.

Mesmo assim, sou apaixonada pelo Ito, já li alguns outros contos e mangás dele, entre eles Uzumaki (tenho a coleção, na verdade, por isso, me invejem, mwauawau), em que uma cidade sofre de uma maldição de espirais. Outra coisa completamente gore, mas que prende nossa atenção do começo ao fim.

Igual à Edição da Dark. Os contos são curtos, porém rápidos e completamente interessantes, o que faz com que os leiamos rapidamente e sentimos que um mangá de cerca de 250 páginas parece pequeno demais.

Os contos da edição são: Futon, Monstro de Madeira, Tomio· Gola Rulê Vermelha, Suave Adeus, Dissecação-chan, Pássaro Negro, Magami Nanakuse e A Mulher que Sussurra.

Futon é um conto completamente sem graça. Desperta a curiosidade, mas tem um fim decepcionante e ao mesmo tempo te faz refletir sobre o que é capaz de acontecer.

Monstro de madeira é um conto sem sentido nenhum.

Tomio· Gola Rulê Vermelha é maravilhoso. É extremamente grotesco e tem uma história super engraçada (talvez eu tenha um gosto incomum, então para algumas pessoas não seja nem um pouco engraçada e sim horripilante).

Suave Adeus e A Mulher que Sussurra são contos surpreendentes e um pouco assustadores. Suave Adeus é possivelmente o único conto que não é gore do mangá inteiro e foi um dos que mais me encantou. A Mulher que Sussurra também foi um dos melhores da edição. Possivelmente foram os dois que eu mais gostei porque são os únicos com uma pegada de terror mesmo.

Magami Nanakuse é um conto chato (nota-se que foi o único de que falei isso). Talvez porque não gosto dos personagens e de seus trejeitos (haha, esse faz bem mais sentido para quem leu).

Dissecação-chan e Pássaro Negro são contos perturbadores e como também amo coisas perturbadoras gostei desses contos. Enquanto Dissecação-chan segue mais para o amado lado gore do Ito, o Pássaro Negro é uma história mais tensa.

Ao todo eu super indico o mangá e torço para que tenhamos outras obras do Junji Ito lançadas pela Caveirinha porque suas histórias chocantes são viciantes e interessantes.

Nota: 4 pedaços de corpos sendo arrancados.

Comentários

Postagens mais visitadas