Pular para o conteúdo principal

Junji Ito- Fragmentos do Horror (Editora Darkside)


Junji Ito- Fragmentos do Horror é o primeiro mangá de terror publicado pela Editora Darkside. E, como sempre, a Editora já começa sua primeira publicação de mangá com dois pés no peito. Primeiro porque Ito é um mangaká (autor de mangá) famoso, com o qual possivelmente qualquer fã de mangá de terror já teve o prazer (ou desprazer) de cruzar. E segundo porque a edição do mangá está maravilhosa.

Com capa dura e verniz transparente em desenhos que remetem a um conto da obra, não tem como não se encantar com a edição que temos em nossas mãos e não ficar animado e esperançoso para um possível segundo volume.

Já sobre os contos, não tem nada muito de assustador. Verdade seja dita, Ito é um autor de gore, subgênero do horror em que se têm cenas violentas, com muito sangue, vísceras, etc. O horror dele é feito para chocar.

E é exatamente como ficamos ao ler a edição. Chocados.
Para se ter uma ideia rápida, em um dos contos, a cabeça da pessoa é cortada e, para ficar vivo, o personagem deve mantê-la na posição correta. Por isso ele não mexe a cabeça. Para fazê-lo se mexer, uma bruxa coloca uma barata na linha do pescoço e na cabeça e é a barata que fica se movimentando. Assustador? Não. Gore? Com certeza.

Mesmo assim, sou apaixonada pelo Ito, já li alguns outros contos e mangás dele, entre eles Uzumaki (tenho a coleção, na verdade, por isso, me invejem, mwauawau), em que uma cidade sofre de uma maldição de espirais. Outra coisa completamente gore, mas que prende nossa atenção do começo ao fim.

Igual à Edição da Dark. Os contos são curtos, porém rápidos e completamente interessantes, o que faz com que os leiamos rapidamente e sentimos que um mangá de cerca de 250 páginas parece pequeno demais.

Os contos da edição são: Futon, Monstro de Madeira, Tomio· Gola Rulê Vermelha, Suave Adeus, Dissecação-chan, Pássaro Negro, Magami Nanakuse e A Mulher que Sussurra.

Futon é um conto completamente sem graça. Desperta a curiosidade, mas tem um fim decepcionante e ao mesmo tempo te faz refletir sobre o que é capaz de acontecer.

Monstro de madeira é um conto sem sentido nenhum.

Tomio· Gola Rulê Vermelha é maravilhoso. É extremamente grotesco e tem uma história super engraçada (talvez eu tenha um gosto incomum, então para algumas pessoas não seja nem um pouco engraçada e sim horripilante).

Suave Adeus e A Mulher que Sussurra são contos surpreendentes e um pouco assustadores. Suave Adeus é possivelmente o único conto que não é gore do mangá inteiro e foi um dos que mais me encantou. A Mulher que Sussurra também foi um dos melhores da edição. Possivelmente foram os dois que eu mais gostei porque são os únicos com uma pegada de terror mesmo.

Magami Nanakuse é um conto chato (nota-se que foi o único de que falei isso). Talvez porque não gosto dos personagens e de seus trejeitos (haha, esse faz bem mais sentido para quem leu).

Dissecação-chan e Pássaro Negro são contos perturbadores e como também amo coisas perturbadoras gostei desses contos. Enquanto Dissecação-chan segue mais para o amado lado gore do Ito, o Pássaro Negro é uma história mais tensa.

Ao todo eu super indico o mangá e torço para que tenhamos outras obras do Junji Ito lançadas pela Caveirinha porque suas histórias chocantes são viciantes e interessantes.

Nota: 4 pedaços de corpos sendo arrancados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …