Pular para o conteúdo principal

Nos vemos no paraíso, um filme de Albert Dupontel

Dois soldados que lutaram na primeira guerra mundial, sendo que um deles, um artista, perdeu o maxilar na guerra, planejam um golpe para lucrar com a família dos soldados da guerra.

O filme, que parece uma obra do escritor Victor Hugo mesclada com O Fantasma da Ópera, é uma obra fantástica. A reconstrução das batalhas é incrível, mostrando bem a dor e o medo dos soldados de que aquele dia fosse o seu último. A reconstrução da cidade daquela época também é bem montada, tanto nos cenários quanto nos figurinos dos personagens, a ponto de parecer até que o filme realmente foi rodado na década de 1920.

A edição mexe bastante com match cuts que são bem executados, e há uma sequência de flashbacks envolvendo a infância de um dos protagonistas, mostrando sua paixão pela arte e o desprezo de seu pai, que faz o espectador entender um pouco os motivos de seus atos futuros.

O ator Nahuel Pétez Biscayart faz um trabalho extraordinário, com seu personagem com o rosto coberto em todo o filme, e consegue se expressar cada sentimento através de suas máscaras que muitas vezes falam mais sobre o que ele sente do que os diálogos de outros personagens.


O filme mexe com alguns clichês que deixam as atitudes dos personagens um pouco previsíveis, mas que são muito bem colocados, o que no início começa com uma atitude que o publico já esperava acontecer, mas depois, levará até um ponto aonde o personagem tinha quer ir.



A fotografia composta por cores frias e deprimentes, passando a expressão da dor e das perdas da guerra para o público, também é  pouco iluminada, e às vezes apenas uma parte do cenário é iluminada, ou parte do rosto de um personagem, mostrando que todas as pessoas usam algum tipo de máscara, que todos temos algo para esconder do resto do mundo.



O antagonista é um homem que não tem nenhum tipo de deformidade, mas que assusta só pelo olhar. Há um personagem que funciona como alívio cômico que é muito engraçado de tão tapado que ele é.



Nós vemos no paraíso é um filme de humor negro fantástico, que chega a ser estranho e bizarro, mas que ao mesmo tempo, é encantador e emocionante.

NOTA: 9 máscaras para cobrir.

Trailer: 






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …