Pular para o conteúdo principal

Escobar: A Traição (ainda há algo de novo a ser contado?)



Histórias de foras da lei carismáticos encantam o público há décadas. Se aqueles que só existem na ficção já são atraentes, um personagem real tão cheio de nuances quanto Pablo Escobar é um prato cheio – que o digam as diversas produções sobre ele lançadas recentemente (o filme Conexão Escobar, de 2016, e a série Narcos, de 2015, só para citar alguns exemplos).

Em Escobar: A Traição, acompanhamos a década final de sua vida, de 1981, quando já era um narcotraficante estabelecido em processo de expansão de seu território, até sua fuga da prisão e perseguição policial que resultou em sua morte. Os eventos mostrados no longa não são novidades para quem já assistiu a alguma das obras baseadas em sua vida, mas desta vez o roteiro veio da adaptação do livro Amando Pablo, Odiando Escobar, de Virginia Vallejo, famosa jornalista de atualidades colombiana que foi amante de Escobar durante anos. É Virginia, interpretada por Penélope Cruz, quem conta a história dessa paixão conturbada e perigosa.


Com um ritmo ágil, o filme empolga em suas cenas de ação (com direito até a um incrível pouso de avião em plena rodovia para a distribuição da carga de cocaína) e tem alguns momentos engraçados gerados pelo absurdo das situações (como os capangas de Escobar invadindo um centro cirúrgico para dar um susto no então marido de Virginia e obrigá-lo a assinar os papéis de divórcio) e outros que são frutos da hipocrisia (quando, depois de ter comprado um monte de políticos, Pablo é eleito como deputado suplente, mas impedido de entrar no Congresso porque estava sem gravata).

Embora Virginia seja a narradora, o foco é mesmo em Pablo e na megalomania que o levou à ruína. Enquanto acompanhamos a ascensão do mito conforme seu poder cresce, a jornalista vai afastando o véu da paixão dos olhos e enfim percebe que, o tempo todo, estava num relacionamento com uma pessoa tóxica e egoísta que não amava a ninguém, exceto a si mesmo.


Apesar de ser um bom filme, a falta de ineditismo da história joga contra ele, e a expectativa de ver algo já conhecido por um novo ângulo infelizmente não se concretiza. O acerto é a dupla de atores escalada para encarnar os protagonistas. Aliás, esta é a quarta vez que Javier Bardem e Penélope Cruz, casados na vida real, trabalham em um mesmo filme  eles já haviam coestrelado Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen, O Conselheiro do Crime, de Ridley Scott, e Jamón, Jamón, de Bigas Luna.

Nota: 3,5 maletas de dinheiro (3,5/5)

Estreia: 23 de agosto



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …