Pular para o conteúdo principal

Histórias que nosso cinema (não) contava: pornochanchada como resgate histórico



Utilizando trechos de filmes nacionais com estilos e temáticas diferentes realizados na década de 70 e jogados todos no mesmo balaio sob a classificação pejorativa de “pornochanchada”, a diretora Fernanda Pessoa revisita esse período de nossa história, marcado pela ditadura militar, e, agrupando as imagens por assunto, apresenta um retrato do povo brasileiro, seus costumes e problemas cotidianos.

Ainda que não haja um narrador conduzindo a história, não é difícil decodificar os temas tratados com base exclusivamente nas cenas selecionadas e combinadas em certas sequências na montagem. Desde os primeiros fragmentos, que partem de um panorama mais geral, iniciado com a chegada dos colonizadores portugueses, já fica claro o que somos: uma nação que se encanta com tudo que brilha e vem de fora, onde aqueles que têm um pouco mais de dinheiro que os demais acham que fazem parte da elite global e perpetuam a mesma exploração predatória de seus antepassados, capitalizando produtos e pessoas.


Preconceito racial, machismo, diferenças de classes, o “milagre econômico”, religião, sexualidade e até a tortura nos anos de chumbo são temas que aparecem no longa. Embora a primeira coisa que nos venha à cabeça ao ouvir o termo “pornochanchada” sejam filmes de baixo orçamento com histórias bobas recheadas de cena de nudez gratuita, dá para notar que há muito mais escondido sob tal alcunha. Talvez seja exatamente por causa do preconceito com os filmes assim categorizados que assuntos sérios, como os citados acima, tenham passado batido pelos censores na época.

Mais do que simplesmente recortar um número de cenas e emendá-las a outras reproduzindo a visão de determinada época e de certas pessoas, a cineasta usa tais imagens para criticar o que é mostrado e considerado “padrão”. A perspectiva exclusivamente masculina do corpo das mulheres (e sua objetificação) é subvertida quando uma mulher se apropria dessas imagens e as monta em outra ordem, estabelecendo novas ligações – e esse trabalho é muito bem-feito (ainda que o montador seja homem, Fernanda é quem estava no comando). E mesmo nas obras de origem, todas com direção masculina, há personagens femininas incríveis, que discutem assuntos importantes que ainda não foram resolvidos, como o aborto, por exemplo, e apontam a hipocrisia da “família tradicional brasileira”.


Durante os 5 anos de pesquisa, mais de 100 filmes foram vistos e, desses, 29 foram selecionados. Uma tarefa árdua, pois, além de obter a autorização dos cineastas para uso das imagens, Fernanda ainda fez um enorme trabalho de resgate, já que muitos desses filmes estavam perdidos, nem seus produtos e/ou detentores dos direitos possuíam uma cópia das obras. Sinal claro de que precisamos, de fato, conhecer e valorizar nossa história e nosso cinema.

Saiba mais sobre "Histórias que nosso cinema (não) contava" aqui.

Nota: Quatro latas de filme encontradas no porão (4/5)

Estreia: 23 de agosto



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …