Pular para o conteúdo principal

O Animal Cordial: Quando as máscaras de civilidade caem



Fim do expediente em um restaurante de classe média em São Paulo. A equipe da cozinha precisa ir embora logo para não perder o trem. A garçonete deseja ser notada pelo patrão. Os clientes querem ser bem atendidos. O dono do estabelecimento apenas sorri e tenta atender às exigências de todos. E então uma dupla de assaltantes invade o local e abala o frágil equilíbrio do ambiente. Sob tensão, as máscaras de civilidade dos indivíduos caem e revelam a verdadeira face desses animais domesticados.

Personagens diversificados forçados a dividir um espaço pequeno, tendo que superar suas diferenças para sobreviver. Um thriller típico. Pelo menos é o que parece à primeira vista. Mas “O animal cordial”, primeiro longa-metragem da diretora Gabriela Amaral Almeida, que já havia explorado o suspense no curta “Uma primavera”, de 2011, e a solidão e o incômodo das relações sociais no premiado “A mão que afaga”, de 2012, vai além. No novo filme, o decadente restaurante, que o proprietário tem a ilusão de ser sofisticado, é um microcosmo da sociedade brasileira urbana e, nesse cenário, lutas de classe e questões de gênero são discutidas de forma alegórica. Os conflitos internos de cada um vão sendo externalizados sem pudores, com crueza, num crescendo que leva, inevitavelmente, ao terror.


Com forte influência estética de filmes do gênero giallo, confirmada pela diretora na coletiva de imprensa e em algumas entrevistas anteriores, o filme acerta em cheio ao humanizar os personagens, mostrando-os como seres ora cordiais, ora selvagens. Nem mesmo ao “vilão” Inácio, dono do restaurante vivido por Murilo Benício, é possível odiar plenamente, apesar da forma como ele trata os funcionários, pois notamos que é um homem sob pressão que sente que está perdendo seu poder e seus privilégios e não sabe como agir nesse novo papel que lhe é atribuído.

Sua parceira nessa viagem ao inferno é a garçonete Sara (Luciana Paes), que começa a história com uma paixonite pelo patrão e pronta para fazer qualquer coisa por ele, mas que, no desenrolar da trama, vai ganhando confiança em si mesma e, percebendo que a imagem que fazia dele era bem melhor que a realidade, decide se impor e fazer o que realmente tem vontade, subvertendo a hierarquia e ganhando protagonismo na própria vida.

Além da dupla de degenerados que vive uma paixão antropofágica perturbadora, outro elemento fundamental para manter a tensão da história é o chef Djair (Irandhir Santos), que encarna a pedra no sapato de Inácio ao não se submeter a ele docilmente e não se manter invisível e sem voz na cozinha, ao fazer rachar o verniz da polidez e deixar vazar o preconceito contra sua figura que destoa daquele ambiente pretensamente requintado com seus cabelos longos, sobrancelhas bem-feitas e sotaque nordestino. Ele é a representação do mal-estar causado pelo proletariado que se infiltra nos salões dos endinheirados esnobes, o lixo que deveria ser retirado pela porta dos fundos, mas cujo fedor se insinua por entre as mesas cobertas por toalhas de linho.


“O animal cordial” é um thriller com problematizações sociais nas entrelinhas. Mas também tem romance. E sexo (numa cena ousada que provavelmente foi o que levou o filme a receber classificação indicativa de 18 anos). E sangue. Muito sangue. E uma protagonista que não deve nada às final girls dos melhores slashers, mas com uma motivação que não se resume à vingança pura e simples: ela está numa jornada de autoconhecimento e libertação. Por mais filmes que mesclem tão habilmente os gêneros quanto este.

Nota: 4 estiletes

Estreia: 9 de agosto



Comentários

  1. Num baile à fantasia em que cada convidado se vestisse do que exata e verdadeiramente é, certamente ninguém reconheceria ninguém.
    GK

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …