Pular para o conteúdo principal

Troca de rainhas, um filme de Marc Dugain


Em 1721, para manter a paz entre França e Espanha após anos de guerra, o Regente do Reino da França, Philippe d'Orléans, propõe uma troca de princesas que resulta no noivado do rei da França, Louis XV, de 11 anos, com Anna Maria Victoria, 4 anos, e do príncipe herdeiro Louis, de 11 anos, com Louise-Elisabeth d'Orleans, 12 anos. Porém, a chegada dessas princesas pode comprometer os jogos de poder na Corte.

Imagem relacionada

Visualmente o filme é lindo de ver, o trabalho da direção de arte está magnífico, a reconstrução do cenário do século XVIII é bem convincente, como se o filme realmente tivesse sido gravado nessa época; destaque também para o figurino deslumbrante, de como tudo parece que foi tirado de um museu para realçar o realismo daquela época.

A fotografia também é um deleite para os olhos, na forma como o diretor optou por utilizar o mínimo de luz possível para reproduzir a iluminação no interior dos palácios, muitas vezes fica difícil de enxergar os acontecimentos da cena, principalmente os que ocorrem à noite, mas é tudo proposital.

Resultado de imagem para the royal exchange 2017

O ritmo do filme é um pouco cansativo, mas intencional, principalmente nas questões politicas, onde se pode ver o desinteresse de muitos personagens que foram colocados nessa situação contra a vontade deles, sejam elas pela morte de todos os familiares, ou por questões estratégicas para manter a paz entre os países.

Imagem relacionada

O roteiro aborda muito bem essas questões políticas, e de como a nobreza utiliza as princesas apenas para estabelecer a ordem e colocar fins nos conflitos, ou gerar um herdeiro para um rei. A trama se perde um pouco quando tenta abordar um assunto específico na história, que fica meio mal colocado, quase não é mostrado, e quando é abordado, é mal executado e não faz diferença nenhuma para o filme como um todo.


Resultado de imagem para the royal exchange 2017

Os personagens são muito bem interpretados, mérito para o elenco infantil, Igor van Dessel que interpreta Louis XV faz um excelente trabalho, seu personagem é angustiante devido à situação de assumiu o trono muito cedo, e do medo da morte que o assombra. Outra atriz mirim que se destaca é Juliane Lepoureau, sua personagem é cativante e, apesar de sua tenra idade, ela tem noção do que ocorre a sua volta.

Troca de rainhas, em termos técnicos é visualmente lindo de se ver, tem alguns problemas na trama, mas atiça a curiosidade do público de pesquisar a história real por trás do filme.

NOTA: 9 trocas para a paz. (9/10)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …