Pular para o conteúdo principal

22 milhas, um filme de Peter Berg



Depois de ser auxiliado por uma unidade de comando tático ultrassecreta, um agente da CIA (Mark Wahlberg) tem que transportar um informante da Indonésia do centro da cidade para o refúgio em um aeroporto a 22 milhas de distância.

Imagem relacionada
O filme dirigido por Peter Berg (Battleship - A Batalha dos Mares e Hancock) não passa apenas de mais um filme de ação genérico. O  diretor conduz o filme usando vários clichês do gênero, como câmera sempre em movimento que quase fica difícil de acompanhar os personagens, vários planos fechados e cortes rápidos que dificultam que o público acompanhe os acontecimentos, deixando o espectador exausto de tentar acompanhar o filme.

Embora o filme erre na maioria das vezes, há momentos em que o diretor acerta, como a tensão que ele consegue criar entre os personagens através do enquadramento da câmera se afastando. Outro mérito e a violência pesada e extrema que vai agradar o público mais exigente, as cenas de ação embora o enquadramento com câmera em movimento que fica difícil de acompanhar, são bem dirigidas em questões de direção de ator.

Resultado de imagem para 22 milhas
A montagem também e problemática, durante várias vezes no filme fica cortando entre dois acontecimentos simultâneos, cujos assuntos não têm muito haver um com o outro. Os cortes são rápidos e bruscos, com a tentativa de causar tensão e atrito, mas só causa desconforto no publico.

Mark Wahlberg está interpretando ele mesmo, embora ele esteja bem, ele faz praticamente a mesma coisa que ele fez em outros filmes do gênero, as atitudes de seu personagem não surpreendem, ele é previsível, aceitando o perigo logo de cara, sem preocupação, usando o clichê de super humano indestrutível.

Resultado de imagem para 22 milhas
Lauren Cohan (The Walking Dead) tenta fazer o seu melhor com sua personagem, mesmo com o roteiro vago; ela tem problemas familiares que fazem com que ela perca a calma com facilidade, ela tenta fazer com que isso não afete o seu trabalho, mas acabam acontecendo alguns deslizes.

John Malkovich faz um agente que cuida da missão do lado estratégico que fica monitorando os agentes em campo, mas que quase não tem participação na trama, ele apenas funciona como um nome de peso para atrair os fãs do ator.
Resultado de imagem para ronda rousey mile 22

A lutadora Ronda Rousey está no filme praticamente de graça.

O plot twist no terceiro ato eé bem feito e surpreende.

22 Milhas e só mais um filme de ação genérico, que vai agradar os fãs do gênero, mas que deixa a desejar para o público mais exigente.

NOTA: 4 milhas e meia de distância. (4/10)


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …