A fábrica de nada, um filme de Pedro Pinho


Certa noite, um grupo de trabalhadores percebeu que sua administração organizou o roubo de máquinas de sua fábrica. Ao decidirem organizar-se para proteger os equipamentos e impedir o deslocamento da produção, os trabalhadores permanecem nos seus postos sem nada para fazer enquanto prosseguem as negociações para as demissões. 


O filme é claramente uma critica social da luta entre classes sociais através da revolução industrial. De um lado vemos os funcionários, trabalhadores que lutam pelos seus direitos, e do outro, os ricos e magnatas que comandam a fábrica e que pretendem mudar a tática de funcionamento do negócio deles.

O diretor português Pedro Pinho opta por mostrar a situação de alguns funcionários, mostrando-os como se eles estivessem sendo entrevistados, e embora as informações apresentadas tenham cabimento na trama, o método não combina muito com o estilo que o filme está seguindo.

Resultado de imagem para fabrica de nadaA fotografia acerta em momentos em que a imagem precisa falar mais que os diálogos. Há uma cena, por exemplo, de planos abertos, que mostra a fábrica sendo enquadrada sempre no centro, para mostrar a importância dela para a economia da cidade. Em outros momentos, há planos longos e entediantes, mas isso é proposital, para passar a sensação dos personagens presentes na cena que não têm o que fazer dentro da fábrica desativada. O diretor falha e tentar passar a preocupação dos personagens em movimento, com planos muito fechados, principalmente em uma cena em que um personagem fala sobre um assunto que interessa os outros, e a câmera enquadra a reação dos outros personagens, mas devido aos planos extremamente fechados, eles acabam saindo de cena ou apenas uma parte do rosto deles fica enquadrada.

Resultado de imagem para fabrica de nada
O roteiro consegue construir diálogos de assuntos burocráticos que fazem o público entender bastante a situação da fabrica e dos funcionários. Em alguns momentos, a história mostra  as famílias de alguns funcionários que têm uma função emocional de mostrar as consequências, se eles por acaso perdessem o emprego, mas essa função acaba não tendo o peso dramático que o diretor queria passar para o público.

No início do terceiro ato é introduzido um número musical aleatório que mais parece um comercial de loja de itens para reforma e construção, que quebra totalmente o estilo do filme; no final o diretor quebra a quarta parede, e é mostrada uma voz em off de alguém dirigindo os atores.
Resultado de imagem para fabrica de nada
A fábrica de nada  acerta na crítica que o filme quer passar, mas o diretor se perde no estilo de transmissão das mensagens quebrando várias vezes o clima do filme.

NOTA: 6  funcionários lutando por seus direitos. (6/10)


Comentários

Postagens mais visitadas