Pular para o conteúdo principal

A moça do calendário: quando sonho e realidade se misturam


Inácio (André Guerreiro Lopes) é um ex-gari de meia-idade que atua como dublê de dançarino e trabalha na oficina mecânica Barato da Pesada. Preso a uma rotina entediante que suga sua energia vital, o único momento do dia em que se sente realmente vivo é quando sonha com a moça do calendário (Djin Sganzerla).

Como a maioria dos personagens do filme, Inácio é um trabalhador triturado pelas engrenagens do capitalismo: ele é apenas mais uma peça, substituível e descartável. Pior, ele é uma peça defeituosa, pois atrapalha a produtividade da empresa ao chegar atrasado diariamente porque sofre com uma dor de cabeça crônica, o que o faz peregrinar de clínica em clínica atrás de consultas e exames que possam revelar a origem do problema.


Não à toa, todas as cenas que se passam na oficina mecânica são em preto e branco e Inácio quase sempre é filmado de cima, sendo humilhado pelo patrão. Nesse cenário de desesperança, o único vestígio de cor é o vestido vermelho da moça do calendário, que, sentada sedutoramente sobre o capô de um jipe, sorri para o funcionário frustrado. Quando termina seu turno, Inácio é engolido pelo caos da metrópole e, mais uma vez, o vemos pequeno, insignificante, invisível, vagando pelas ruas da cidade.

Ao chegar em casa, no entanto, Inácio consegue aliviar parte da pressão que o oprime, descarregando em sua esposa, igualmente cansada e infeliz, parte de suas frustrações. A mulher com quem por algum motivo ele decidiu se casar e que desbota dia a dia ao seu lado para manter um teto sobre suas cabeças e um prato de comida na mesa já não tem mais encanto, e somente a versão idealizada do amor tem apelo para ele, apenas a perfeição da mulher inatingível que habita suas fantasias. Mas será que se a tal moça saísse dos sonhos e viesse para o mundo real ela continuaria sendo tão incrível assim? É o que Inácio está prestes a descobrir.


O filme não tem uma narrativa cronológica e o tempo parece se distender e encolher em alguns momentos, refletindo a sensação de desconforto dos personagens com o ambiente em que vivem. Realidade e sonho se misturam nesse filme que tem mensagens claras sobre lutas de classe, questões de gênero, isolamento e falta de comunicação. Embora seja intencional o estilo mais teatral de interpretação utilizado no filme, o tom panfletário, me incomodou um pouco. De qualquer modo, é um filme visualmente bonito e que trata de assuntos importantes que precisam ser discutidos.

Nota: 3/5 copos de cerveja
Estreia: 27 de setembro




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …