Pular para o conteúdo principal

A Vida em Família: a arte como via de mudança



Um prefeito que ama a literatura e não manja nada de administração. Um criminoso pé de chinelo que vira poeta. Um ladrão meia-boca que se acha um grande gângster e que venera o Papa Francisco. Um assalto malsucedido que aproxima esses três personagens e muda suas vidas completamente.

Os irmãos Pati (Claudio Giangreco) e Angiolino (Antonio Carluccio) são dois ladrõezinhos mequetrefes que decidem roubar o posto de combustível. O plano dá errado, Pati acaba matando o cão de guarda e assumindo a culpa sozinho, para livrar a cara do parceiro. Na prisão, todas as noites Pati tem pesadelos com o cão morto, e a forma que encontra para lidar com seu peso na consciência é inusitada: colocando seus sentimentos nas poesias que cria nas aulas semanais de escrita e literatura que o prefeito Filippo (Gustava Caputo), um apaixonado pelas artes, ministra no presídio.


Como o próprio nome diz, Disperata, é um lugar sem esperança. A cidadezinha do sul da Itália não recebe recursos do governo, e seu prefeito não tem ânimo para lutar por melhorias. À população cabe sentar e ver a vida passar, dia após dia, sempre igual. Nesse cenário monótono e sem perspectivas, alguns se ocupam (as mulheres que compram mantimentos, trabalham no mercado e em casa), enquanto outros sentam e esperam por um milagre (homens que passam o dia no bar bebendo, jogando e contando vantagens).

Além dessa separação clara entre personagens de ação e aqueles de imaginação e seus papéis sociais definidos de acordo com o sexo – tão fáceis de identificar na sociedade italiana (mas não só) –, o filme também retrata outro elemento clássico desse universo: a culpa católica. Se foi o acaso, ou mais especificamente o azar, que uniu Pati, Angiolino e Filippo, sem dúvida foi a culpa que os fez querer mudar de vida. E a arte foi o canal que viabilizou a mudança.


“A vida em família” consegue retratar o abandono político, a crise econômica e o desalento de uma cidadezinha com leveza, graças ao seu trio carismático de personagens principais e às suas aventuras um tanto ingênuas até. Infelizmente, o filme perde a força na parte final, quando novas ideias são acrescentadas à trama, mas deixadas sem desenvolvimento. De qualquer modo, dá para embarcar nos sonhos dos protagonistas e rir das situações estapafúrdias que eles criam. No final, fica aquele gostinho de filme da "Sessão da Tarde". Para mim, isso é um elogio.

Nota: 3 versinhos sobre a vida (3/5)
Estreia: 6 de setembro



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…