Pular para o conteúdo principal

Crô em Família - Ou: Já não basta de estereótipos LGBTs ruins no cinema nacional?



Após um término, Crô que acaba ficando carente e vulnerável, recebe a visita inesperada de pessoas alegando que são sua família e, mesmo desconfiado, ele decide deixar que se aproximem dele, mesmo que eles tenham segundas intenções em relação a Crô.

O novo filme do personagem Crô, da novela Fina Estampa, que mais tarde ganhou seu primeiro filme solo lançado em 2013, volta novamente em um filme que funciona separado do último e da própria novela que deu origem ao personagem, ignorando totalmente a existência dos acontecimentos passados das duas histórias.

O roteiro é bem fraco e sem conteúdo, ele tenta abordar temas sobre família, amizade, e até sobre o movimento LGBT, e de como já é uma coisa absolutamente normal hoje em dia, mas que acaba sendo abordado de maneira apelativa.

Cininha de Paula aborda o tema familiar, e muito confuso e sem cabimento, em vários momentos o protagonista desconfia da situação, e em vários momentos do filme, é apresentada uma solução para essa desconfiança, mas o personagem sempre descarta essa solução, com o único propósito de alongar o filme para ter uma duração mínima de 1 hora.

Resultado de imagem para crô em família

Quando a diretora aborda o tema de LGBT, fica totalmente caricato, cheio de piadas exageradas, vindo sempre de personagens gays, sendo que eles podem falar isso, mas que também as mesmas piadas poderiam ser politicamente incorretas se fossem ditas por uma pessoa heterossexual.


Personagens LGBTs de outras séries, novelas ou mesmo artistas famosos como Ferdinando (Vai que Cola), seu Peru (Escolinha do Professor Raimundo), David Brasil e Pabllo Vittar fazem participações rápidas no filme, que só estão lá somente para atrair mais o publico, e não apresentam nenhuma função para o desenvolvimento da trama.

Resultado de imagem para crô em família

Marcelo Serrado está se divertindo mais uma vez com um dos seus personagens mais famosos, ele é o melhor personagem do filme, com seu jeito escandaloso, mas sempre mostrando elegância.

Arlete Salles está bem, mas limitada devido à falta de conteúdo do roteiro. Tonico Pereira está muito mal aproveitado no filme. Rosi Campos é a melhor personagem coadjuvante, interpretando a empregada do Crô, que também representa a figura materna do personagem.

Crô em família pode até divertir, é cheio de participações gratuitas, mas é desnecessário e exagerado, um filme para o público ver com o cérebro desligado.

NOTA: 3 ternos de grife “chiquérrimos”! (3/10)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …