Pular para o conteúdo principal

OSCAR 2019: Os 22 filmes brasileiros que estão na disputa pela vaga



Semana passada foi divulgada a lista com as 22 produções brasileiras que estão na disputa para representar o país na categoria Filme Estrangeiro do Oscar 2019. O candidato oficial será escolhido por uma comissão especial, formada pelo presidente da Academia Brasileira de Cinema, Jorge Peregrino, pela atriz Bárbara Paz, pela produtora Lucy Barreto e pelos diretores Flávio R. Tambellini, Jeferson De, João Jardim e Hsu Chien.

Observando os títulos selecionados e os nomes dos integrantes da comissão responsável por eleger o filme a ser indicado pelo Brasil, só consigo pensar: E não é que as polêmicas de 2016 sobre a escolha do filme (que ficava a cargo da Secretaria do Audiovisual, vinculada ao Ministério da Cultura), que geraram acusações de motivação política na definição do candidato oficial escolhido aquele ano para representar o país no Oscar, e que culminaram na transferência da incumbência para a Academia Brasileira de Cinema no ano passado, parecem ter levado, enfim, a bons resultados?

Este ano, a comissão julgadora está mais diversificada, e não só com relação a gênero: agora são 2 mulheres no time, além de 1 negro e 1 asiático. Um avanço considerável em comparação com o ano anterior, quando o comitê contava com apenas uma mulher e seis homens brancos.

O desequilíbrio gritante entre o número de produções com direção feminina e masculina também diminuiu: dos 22 indicados, 9 foram dirigidos ou codirigidos por mulheres (contra 5 de 23 filmes em 2017). No entanto, o cinema produzido no Brasil continua sendo esmagadoramente branco. Apenas 1 diretora negra e 1 diretora de origem asiática entraram na lista desta vez – o que já é uma mudança (ainda que ínfima) com relação à diversidade étnica dos cineastas que integraram a seleção do ano passado (todos brancos). Ainda que esteja longe de ser ideal, é bom ver que a representatividade está começando a ser colocada em prática.

Aqui estão os indicados (clique no título para assistir ao trailer):
1. Além do Homem, de Willy Biondani
2. Alguma Coisa Assim, de Esmir Filho e Mariana Bastos
3. O Animal Cordial, de Gabriela Amaral Almeida
4. Antes que Eu Me Esqueça, de Tiago Arakilian
5. Aos Teus Olhos, de Carolina Jabor
6. As Boas Maneiras, de Juliana Rojas e Marco Dutra
7. Benzinho, de Gustavo Pizzi
8. Canastra Suja, de Caio Soh
9. Como é Cruel Viver Assim, de Julia Rezende
10. Dedo na Ferida, de Silvio Tendler
11. Encantados, de Tizuka Yamasaki
12. Entre Irmãs, de Breno Silveira
13. Ex-Pajé, de Luiz Bolognesi
14. Ferrugem, de Aly Muritiba
15. Não Devore Meu Coração, de Filipe Bragança
16. O Caso do Homem Errado, de Camila de Moraes
17. O Desmonte do Monte, de Sinai Sganzerla
18. O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues
19. Paraíso Perdido, de Monique Gardenberg
20. Talvez uma História de Amor, de Rodrigo Bernardo
21. Unicórnio, de Eduardo Nunes
22. Yonlu, de Hique Montanari

A escolha da comissão brasileira é feita no dia 11 de setembro. Em 22 de janeiro de 2019, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulga a lista dos indicados ao Oscar. E a 91a edição da festa acontece no dia 24 de fevereiro.

Comentários

  1. Vi Benzinho e O animal cordial da lista até agora só... Vamos ver amanhã qual ganahrá a vaga :3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…