A casa que Jack construiu, um brutal estudo sobre a psicopatia, por Lars Von Trier



Um dia, durante um encontro fortuito na estrada, o arquiteto Jack (Matt Dillon) mata uma mulher. Este evento provoca um prazer inesperado no personagem, que passa a assassinar dezenas de pessoas ao longo de doze anos.

O novo filme dirigido por Lars Von Trier, que causou polêmica no festival de Cannes, é de fato uma obra forte e violenta, mas não tanto quanto suas obras passadas. O diretor sabe conduzir o protagonista a cometer tais atrocidades desumanas, e também mostra a origem desse desejo de Jack através de flashbacks de sua infância, que são mostrados no filme no momento certo.

Resultado de imagem para a casa que jack construiu
A narrativa em off é introduzida e usada para ajudar a entender mais sobre a mente de Jack e o que o leva a escolher suas vitimas e como matá-las, mas, às vezes essa narrativa vinda do protagonista acaba sendo um pouco expositiva, como na cena da chuva no rastro de sangue.

O roteiro faz um ótimo uso de metáforas para compreender o instinto assassino de Jack, usando uma cena sobre a sombra de uma pessoa caminhando debaixo de dois postes de luz em uma sequência em animação bem interessante. O diretor usa a violência com uma ótima dosagem, que gera a maior parte das cenas fortes, que não são gratuitas, todas elas têm uma função na história, que realçam a personalidade monstruosa de Jack, mesmo que às vezes o diretor passe dos limites mais de uma vez, há algumas cenas bem dolorosas envolvendo crianças ou tortura de animais (que lembrou muito a cena da tartaruga de Holocausto Canibal) que fica difícil o público ver sem se chocar ou sentir desconforto com o que é mostra na imagem. Alguns diálogos que tem um bom propósito para o seguimento da trama são bem fúteis e artificiais, mas que mostra a natureza gananciosa do ser humano.

Resultado de imagem para a casa que jack construiu
Lars faz uma comparação peculiar entre assassinatos com uma arte incompreendida, utilizando imagens de grandes ditadores como Hitler e Stalin, ou até mesmo cenas de violência de seus próprios filmes que geram polêmicas.

Matt Dillon interpreta Jack como um cara que no inicio é uma pessoa passivo-agressiva, mas que, durante filme, ele se torna mais violento e estratégico. Ele coloca bastante personalidade em seu personagem, mostrando seus defeitos e suas compulsões, como o TOC impulsivo que ele tem com o ambiente que tem que estar totalmente esterilizado e limpo, e o trabalho de câmera que mostra esse lado de Jack ajuda o público a ficar na pele do personagem.

Resultado de imagem para a casa que jack construiu
O trabalho de fotografia deixa o filme visualmente impactante e desconfortável, através de planos fechados que passam desconfiança para o público, somos colocados muitas vezes no lugar das prováveis vitimas. O diretor também usa referências da obra de Dante e de imagens em negativo para mostrar algo relacionado à maldade que se esconde na luz.

Imagem relacionada
O desfecho muda o estilo do filme por completo para algo totalmente fora da realidade, mas, devido à narrativa e o caminho que o diretor optou para o protagonista, o filme não se perde e esse novo estilo se encaixou por completo para o final de Jack.

Não é o filme mais impactante de Lars Von Trier, mas ele consegue mostrar como a mente de um psicopata funciona.

NOTA: 8 cadáveres e meio escondidos no freezer. (8,5/10)







Comentários

Postagens mais visitadas