Pular para o conteúdo principal

A casa que Jack construiu, um brutal estudo sobre a psicopatia, por Lars Von Trier



Um dia, durante um encontro fortuito na estrada, o arquiteto Jack (Matt Dillon) mata uma mulher. Este evento provoca um prazer inesperado no personagem, que passa a assassinar dezenas de pessoas ao longo de doze anos.

O novo filme dirigido por Lars Von Trier, que causou polêmica no festival de Cannes, é de fato uma obra forte e violenta, mas não tanto quanto suas obras passadas. O diretor sabe conduzir o protagonista a cometer tais atrocidades desumanas, e também mostra a origem desse desejo de Jack através de flashbacks de sua infância, que são mostrados no filme no momento certo.

Resultado de imagem para a casa que jack construiu
A narrativa em off é introduzida e usada para ajudar a entender mais sobre a mente de Jack e o que o leva a escolher suas vitimas e como matá-las, mas, às vezes essa narrativa vinda do protagonista acaba sendo um pouco expositiva, como na cena da chuva no rastro de sangue.

O roteiro faz um ótimo uso de metáforas para compreender o instinto assassino de Jack, usando uma cena sobre a sombra de uma pessoa caminhando debaixo de dois postes de luz em uma sequência em animação bem interessante. O diretor usa a violência com uma ótima dosagem, que gera a maior parte das cenas fortes, que não são gratuitas, todas elas têm uma função na história, que realçam a personalidade monstruosa de Jack, mesmo que às vezes o diretor passe dos limites mais de uma vez, há algumas cenas bem dolorosas envolvendo crianças ou tortura de animais (que lembrou muito a cena da tartaruga de Holocausto Canibal) que fica difícil o público ver sem se chocar ou sentir desconforto com o que é mostra na imagem. Alguns diálogos que tem um bom propósito para o seguimento da trama são bem fúteis e artificiais, mas que mostra a natureza gananciosa do ser humano.

Resultado de imagem para a casa que jack construiu
Lars faz uma comparação peculiar entre assassinatos com uma arte incompreendida, utilizando imagens de grandes ditadores como Hitler e Stalin, ou até mesmo cenas de violência de seus próprios filmes que geram polêmicas.

Matt Dillon interpreta Jack como um cara que no inicio é uma pessoa passivo-agressiva, mas que, durante filme, ele se torna mais violento e estratégico. Ele coloca bastante personalidade em seu personagem, mostrando seus defeitos e suas compulsões, como o TOC impulsivo que ele tem com o ambiente que tem que estar totalmente esterilizado e limpo, e o trabalho de câmera que mostra esse lado de Jack ajuda o público a ficar na pele do personagem.

Resultado de imagem para a casa que jack construiu
O trabalho de fotografia deixa o filme visualmente impactante e desconfortável, através de planos fechados que passam desconfiança para o público, somos colocados muitas vezes no lugar das prováveis vitimas. O diretor também usa referências da obra de Dante e de imagens em negativo para mostrar algo relacionado à maldade que se esconde na luz.

Imagem relacionada
O desfecho muda o estilo do filme por completo para algo totalmente fora da realidade, mas, devido à narrativa e o caminho que o diretor optou para o protagonista, o filme não se perde e esse novo estilo se encaixou por completo para o final de Jack.

Não é o filme mais impactante de Lars Von Trier, mas ele consegue mostrar como a mente de um psicopata funciona.

NOTA: 8 cadáveres e meio escondidos no freezer. (8,5/10)







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …