Pular para o conteúdo principal

Papillon, de Michael Noer. Remake do clássico de 1973 é profundo na análise humana


Já está nos cinemas a nova versão do filme Papillon. Dessa vez, a obra biográfica de Henri Charrière ganha as telas pela visão de Michael Noer, com a pressão de ser um remake do sucesso de Franklin J. Schaffner, 1973. A trama conta a história real de Henri Charrière, conhecido como Papillon (Charlie Hunnam), arrombador de cofres francês, que foi preso injustamente em 1935 por uma falsa acusação de assassinato, e junto com seu amigo, Loui Dega (Rami Malek), planejam uma fuga da temida prisão francesa na Ilha do Diabo, Guiana Francesa.

A produção mostra a vida do cárcere, que, mesmo que retrate a realidade dos anos de 1930, é muito pertinente nos dias de hoje. Algo que me agrada muito no filme é o fato de mostrar a humanidade dos detentos, para mim pelo menos ficou muito evidente que os comportamentos de cada um dos personagens presos era uma expressão da situação que o ambiente desperta.
A situação em que o protagonista vai para solitária, após sua primeira tentativa de fuga, é muito bem explorada. Brilhantemente é demonstrada a situação de solidão e o quanto isso pode interferir na sanidade de qualquer pessoa. Não só nesse momento, mas em diversas situações, o filme explora os limites da mente humana. Nesse ponto, a produção mostra de uma boa maneira a humanidade presente mesmo em detentos, e quebra a forma julgadora como a sociedade olha para esses criminosos.

A história é muito bem explorada, de um jeito bem hollywoodiano, sim, mas consegue transpor críticas e análises da psique humana de uma maneira excelente.


nota - 3 anos na solitária  (3/5)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …