Pular para o conteúdo principal

Um dia na BGS, a maior feira da América Latina de videogames!




E aê, galera que curte games?! Hoje é o último dia da BGS 2018, e vou falar um pouquinho sobre como foi a experiência de ir ao primeiro dia da feira, eu e nosso tripulante aqui da USS Sinistra, Bruno Martuci, curtimos muito! Logo mais ele também terá a palavra aqui, mas hoje é minha vez de falar um pouquinho sobre a Brasil Game Show 2018!


Como eu não sou lá muito fã da linearidade, não vou começar pelo começo :P

Saudosismo imperou: ao contrário da CCXP, que decepcionou profundamente ao anunciar atores queridos cujas vindas foram canceladas em cima da hora, a BGS cumpriu com o que prometeu e Daniel Pesina estava lá, sim! Todo simpático, carismático, tirei foto com ele sim, GOT CAGED (autógrafo) e, caso você não seja tão gamer assim, ou não tão das antigas, ele praticamente criou o Mortal Kombat e é o intérprete de Jonny Cage. Tive a oportunidade também de perguntar a ele sobre as personagens femininas fortes e com personalidades marcantes que ainda faltam em tantos games atuais e que existiam logo no início do MK, do que ele disse que se orgulha muito. Ele é, como ele mesmo disse, bem nerd, saca Dungeons & Dragons? (Se não for da sua época, é só se lembrar do jogo dos meninos em Stranger Things...) Além das artes marciais. Mano, ele é realmente o cara! E isso tudo me trouxe uma onda de nostalgia bacana, e me fez me lembrar de quando eu jogava MK ainda na escola, em vez de ficar "aprendendo" a mudar as cores das fontes no Word ou como segurar um mouse em um curso de informática desnecessário que me obrigaram a fazer na escola. Em vez disso, eu jogava Mortal Kombat. 


"Johnny Cage", Skorpion & Sub-Zero

Euzinha, "Johnny Cage", Skorpion & Sub-Zero 
Autógrafo, aka I GOT CAGED!

As atrações estavam bem melhores do que em 2017 e 2016 também. Antes de voltar para as partes boas, só tenho duas ressalvas a fazer: na BGS 2017, eu participei de um game do Old Spice, e o promotor se recusou a me dar o prêmio que ganhei, um desodorante (que por acaso É o que eu uso!) por eu ser mulher. Nesse ano, além de o estande da Old Spice ser um dos mais legais, os promotores (aliás, parabéns organizadores pela diversidade nos promotores e no staff de modo geral. Já era tempo, não?), tanto os homens quanto as mulheres, foram super simpáticos, e, quando contei o ocorrido no ano passado, eles me disseram que eu deveria ter reclamado. Sim, deveria. Mas fiquei tão pasma, sabe? Oi, você não pode receber seu prêmio porque esse desodorante é masculino e você é mulher? Onde vivemos? Quem é essa pessoa? O que come? Enfim, passou. Mas tive que registrar o momento aqui. E, como também não podia faltar, houve também neste ano aquele comentário sexista totalmente desnecessário: em um dos games de força, um dos promotores falou que deveriam ter ajustado o "brinquedo" para força "de mulher". Então, fica aqui a dica: não sou a gamer mais supergamer do mundo, mas que tal, além de educar com um treinamento básico para não ser sexista, também ser gamer nisso: se nos videogames você pode escolher níveis básicos, difíceis etc., que tal colocar isso em vez de estragar a brincadeira com esse sexismo de "força de mulher" e "força de homem"? Vou ter que dizer aqui que pratico Krav Magá e muitos gostam de treinar comigo soltura de mãos porque minha pegada é, como um colega de treino mesmo disse, "de alicate". Além disso, meus socos não são fraquinhos e houve uma ex-aluna que chegou a "reclamar" que eu batia forte demais na luva de foco do treino. Oi? Estou aprendendo a me defender. Tenho força. Já treinei artes marciais etc. Força é força, treino, etc. Não tem nada a ver com tamanho, nem gênero. Pelo fim dessa babaquice, por favor?

TEST YOUR MIGHT!!!! - MORTAL KOMBAT



É muito stand para ver e curtir em um dia só, então sempre recomendo que as pessoas vão pelo menos em dois dias, mas adorei o que vi, os jogos com que brinquei (houve um momento em que meu raríssimo vintage iPod shuffle primeira geração caiu dentro do slot de uma máquina em um jogo que eu estava jogando com o Bruno e os promotores, super simpáticos, vieram ajudar e ainda ficaram fazendo comentários divertidos, de que eu tinha ganhado um prêmio quando o meu iPod finalmente saiu do slot e com toda a simpatia). Sim, a maioria dos promotores não só não eram babacas sexistas como ainda tinham um senso de humor incrível! E o preço disso, gente!, disse um deles. hahaha Nem tem preço. O valor sentimental é ainda maior do que o possível preço de mercado. ;)

No fim do dia, sim, ficamos até o fim da feira, e demos sorte de pegar a penúltima van até o metrô, pois eu já tinha dançado até música old school e funk, sim!, no Just Dance. Andei que nem uma camela percorrendo a feira por todos os lados, e provavelmente fiz mais exercícios físicos em um dia do que na academia em uma semana #shameonme Semana que vem volto aos treinos. :P

Conheci um pessoal legal da imprensa, alguns cosplayers bem gente boa também e geiiiint, caramba, tinha uns cosplays supermegalegais! E cosplayers idem xD Escolhemos alguns para depois os entrevistarmos aqui para o blog, mas já daremos uma amostrinha a vocês. 

Esse é o João Pedro e as fotos que ele me passou, meu, que legal! Treta de espadas XD Tirei fotos com ele também no dia em que fui, como vocês podem ver abaixo também. Os cosplayers de Skorpion e Sub-Zero na foto estão em que eu tô ali de fã do Daniel, e tem outros, como a cosplayer da Atena, que estão no celular do Bruno (as fotos, não as pessoas. Eu acho. Assim espero).
"Oficial" e "Sniper" na pausa para cigarro (e olha nossas caras hahaha)

João Pedro, mata o Kylo Ren, por favooort hahahahah
Atendente super simpática da World of Collectibles, onde eu e o Bruno ganhamos cada um
uma miniatura da Millennium Falcon

Tem muito mais coisa que eu poderia escrever, mas uma hora esse texto tem que acabar, então, pelo momento, é isso aí pessoal. 
Se perdeu a desse ano, ano que vem tem mais!




Mentirinha: Cenas pós-créditos, achou que não ia ter? - foto de cosplay antigo meu que amo. Beatrix Kiddo aka Black Mamba - A BGS e os cosplayers que conheci e vi lá me inspiraram a voltar a fazer cosplay xD Na dúvida ainda de qual será o próximo... Jessica Jones? Versão feminina de Dr. House? Ideias?



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …