Pular para o conteúdo principal

A voz do silêncio, ou um retrato da solidão, um filme de André Ristum


O diretor André Ristum aborda vários temas em seu novo projeto, entre eles a solidão e o relacionamento entre familiares, e mesmo que esse temas sejam completamente distintos um do outro, o diretor consegue interligá-los fazendo com que a solidão seja consequência de um relacionamento problemático com membros de sua própria família.

Ele constrói o ritmo do filme apresentando brevemente a história de cada personagem em seu cotidiano, o que pode ter causado esse afastamento ou desentendimento com alguém próximo, e de como cada um reage a essa situação.

O diretor até consegue criar boas histórias, mas ele acaba colocando tantos personagens na trama que fica difícil contar o ponto de vista de cada um. Às vezes ele cria uma situação interessante que desperta a curiosidade do público, mas então o diretor dá importância a outro personagem que não causa o mesmo impacto. Embora o primeiro ato apresente os personagens, o ritmo do filme é bem entediante, mesmo nas cenas mais agitadas e dinâmicas, apresentando poucos elementos realmente importantes para a trama, e mantendo esse ritmo até a metade do segundo ato.


O roteiro embora não seja ruim, deixa muitos assuntos meio vagos ou sem uma explicação coerente.


Marieta Severo tem pouco destaque em comparação com outros personagens, mas ela consegue fazer um excelente trabalho com o pouco tempo que tem em tela, ela é uma mulher que foi bastante afetada pela solidão, ignorando os problemas, fingindo que eles não existem, descontando tudo na filha e favorecendo o filho que saiu de casa, criando a ilusão de que ele é bem sucedido. Ela lembra bastante a personagem de Ellen Burstyn no filme Réquiem Para um Sonho, de Darren Aronofsky, mas ela dá personalidade própria a sua personagem, mesmo que a construção de ambas seja parecida, a motivação e a execução são diferentes.


Mesmo com o ritmo cansativo, A Voz do Silêncio é um filme que pode impactar alguns espectadores, principalmente aqueles que se identificam com alguma das histórias contadas.

NOTA: 6 momentos de solidão. (6/10)






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …