Pular para o conteúdo principal

Em chamas, o representante da Coreia do Sul no Oscar 2019, um filme de Chang-Dong Lee



Baseado no conto Barn Burning, de Haruki Murakami, o filme tem uma história interessante, mas com um ritmo lento e maçante, com sequências bem monótonas, mostrando o cotidiano dos personagens do filme. O primeiro ato é bem parado, mostrando sem pressa o desenvolvimento inicial da trama que vai ganhando mais dinâmica, despertando enfim o interesse do público.



Dirigido pelo sul-coreano Chang-Dong Lee, o filme trabalha bem o tema do passado interagindo com o futuro dos personagens, sejam eles atos agressivos e desrespeitosos que mostram arrependimento anos depois, ou atos propositais e desumanos sem nenhum tipo de remorso provocado por um personagem.

Resultado de imagem para burning filme 2018

A sequência de abertura apresenta o início do relacionamento entre o protagonista Jong-soo (Yoo Ah-In) e a personagem Hae-mi (Jeon Jong-seo), e logo é mostrada, através dos diálogos, a conexão que os dois tinham no passado e a diferença entre antes e agora, pois eles se tratavam antes de modo nada amigável, e atualmente, tratam-se de forma mais agradável e afetuosa. Quando Ben (Steven Yeun) é introduzido, a trama toma outro rumo e começa a deixar o público mais intrigado e curioso, já que Ben nunca deixa claro para o telespectador quais são suas intenções, mantendo um grande mistério sobre sua vida.

O roteiro constrói bem o mistério que é introduzido no final do segundo ato, apresentando os elementos introduzidos desde o inicio do filme, fazendo a desconfiança e as suspeitas crescerem mais com a ajuda da figura de linguagem utilizada nos diálogos, e junto com a direção executa um excelente trabalho de mise en scène.

Steven Yeun, que interpreta Ben, é o melhor personagem do filme, ele parece ser uma pessoa bem carismática e organizada, em cuja presença você se sente confortável, mas, ao longo da história, ele demonstra hábitos e hobbies piromaníacos, que causam desconfiança quando o clima do filme se torna mais tenso devido ao mistério envolvendo um dos personagens.


Imagem relacionadaYoo Ah-In não está ruim, mas seu personagem não tem muito entusiasmo, fazendo com que o público não se importe muito com suas atitudes; ele começa a chamar a atenção somente no inicio do terceiro ato, quando o mistério começa a ficar mais tenso.

Em Chamas tem uma boa abordagem, um mistério intrigante, tem um ritmo devagar no inicio, mas o filme não demora para ganhar o interesse do público, todavia, o protagonista é desinteressante, mesmo que suas intenções sejam bem trabalhadas.

NOTA:  7 celeiros em chamas.









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …