Pular para o conteúdo principal

#JediCon2018 - Embora pequena, a JediCon traz Jedi e Sith de toda a cidade


A convenção destinada para reunir fãs de uma das maiores franquias do cinema (Star Wars), chega a sua nova edição em São Paulo. O evento, que é uma espécie de Comic Con direcionado à saga de Star Wars, traz uma grande legião de fãs da franquia de todas as mídias, não se limitando somente aos filmes, mas também aos jogos, séries de TV, e outras histórias que não pertencem ao cânone oficial dos filmes.

O evento, que é mais composto por lojas e estandes, é repleto de objetos, figuras de ação, HQs, produtos oficiais ou não da saga, os quais despertam grande interesse para os colecionadores, principalmente em uma sala para expor peças raras de colecionadores, como linhas de bonecos, reproduções de cenários em pequena escala, que deixam os fãs admirados.

Vários dos produtos oficiais que estavam expostos para vendas em diversas lojas, muitos dos quais  são importados, tiveram uma grande procura pelos preços muito abaixo do que é encontrado em lojas oficiais e sites autorizados (como por exemplo, o BB-8 interativo da Sphero que, em seu lançamento, chegou a custar R$ 2000,00, foi encontrado na JediCon por R$ 600,00, ou a Pelúcia Interativa Porg da Hasbro que custa R$ 350,00, no evento foi achado por R$ 100,00). Além dos produtos oficiais, os produtos não oficiais também atraíram um grande interesse por parte dos fãs, principalmente nos estandes de customizações personalizadas de objetos do filme, com destaque para a oficina de sabres de luz personalizados de acordo com a vontade do cliente, que poderia montar sua própria arma Jedi da forma que quisesse, com material de primeira qualidade. 


Outro ponto que chamou a atenção foram os estandes do universo de Star Trek (que é visto por muitos fãs como o principal rival de Star Wars), que tiveram um pequeno espaço nessa grande convenção focada em Star Wars, e que foi muito bem recebida por muitos, promovendo também a convenção destinada somente para fãs de Star Trek, a StarCon, que ocorrerá em fevereiro de 2019.

Embora houvesse uma grande quantidade de lojas e produtos de todos os tipos da franquia, as atividades tiveram pouco espaço no evento, mas que também não ficaram para trás, com debates sobre os jogos da franquia e dos dois últimos filmes (Os Últimos Jedi e Han Solo) despertaram grande interesse, porém, mesmo com os convidados entendendo do assunto, eles bajulavam demais a saga, defendendo até mesmo os defeitos que são encontrados nos filmes, dando a impressão de que esses novos filmes do universo de Star Wars são impecáveis. 

Uma das atividades que lotou o auditório foi a presença do dublador Philippe Maia  (o dono da voz brasileira do Poe Dameron), que falou de sua experiência de dublar um personagem dessa franquia; ele também se mostrou um grande fã de Star Wars, e também falou um pouco de sua história como dublador, o que fez com que quisesse seguir essa carreira, e falou também sobre os personagens pelos quais ele sentiu mais carinho ao dublar. O concurso de cosplay também trouxe uma grande variedade de customizações personalizadas e criativas, muitas delas até únicas em todo o evento.

Embora a JediCon não seja um grande evento comparado a outras convenções, ela ainda tem um grande prestígio e reconhecimento em meio à grande comunidade nerd de São Paulo, que consideram a saga de Star Wars a franquia de maior sucesso mundial.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …