Pular para o conteúdo principal

O Homem Que Matou Dom Quixote, um filme de Terry Gilliam


Toby é um diretor de comerciais de TV que, quando vai em busca de inspiração para seu novo projeto em um vilarejo na Espanha, ele se depara com o antigo ator amador que participou de seu filme sobre Dom Quixote, interpretando o próprio, que agora se encontra totalmente insano, pensando que ele é realmente o próprio Quixote, confundindo Toby com seu grande amigo, Sancho Pança.


Imagem relacionada


Após mais de 25 anos, o diretor Terry Gilliam (ex-integrante do grupo Monty Python) finalmente conseguiu finalizar a produção do longa-metragem baseado na obra de Dom Quixote de la Mancha. Mesmo depois de várias tentativas de fazer este filme, o diretor não finalizou o projeto de qualquer jeito, ele conseguiu terminar o filme mantendo o ânimo, tendo bastante carinho por seu projeto.

Terry opta em usar bastantes locações para construir os vários cenários do filme, utilizando paisagens e vilarejos de lugares da Espanha e Portugal que, com a ajuda da fotografia, dão vida ao filme, deixando a sensação de que o ambiente pertence ao século XVIII, mas a história pertencendo à atualidade, misturando delicadamente os dois mundos.


Resultado de imagem para o homem que matou dom quixote


O diretor ainda brinca com sua situação, colocando no filme referências aos obstáculos com que ele se deparou ao longo dos anos no protagonista da história que também está tentando fazer um projeto sobre Quixote, e que funciona devido à trajetória do personagem.

O time cômico é bom, muitas vezes vinda do próprio Dom Quixote, equilibrando bem a loucura e o cômico, e Terry Gilliam também usa bastante o humor que ele aprendeu com sua convivência com o grupo Monty Python que é até engraçado, mas não combina com o estilo do filme, como em uma cena legendada que quebra totalmente a realidade da história, fazendo o público lembrar que se trata apenas de um filme.


Resultado de imagem para o homem que matou dom quixote

Jonathan Pryce equilibra bem a loucura e a seriedade de Dom Quixote, fazendo o publico acreditar mesmo que ele é o próprio cavaleiro de la Mancha, mas o diretor faz questão de lembrar os espectadores de que ele é apenas um ator que enlouqueceu, interpretando o personagem, colocando personagens secundários que incentivam a loucura do ator, e essa atitude é fraca e não faz muito sentido na trama.

A fotografia usa bastante plano holandês para passar a sensação de loucura ou delírio de um personagem, seja de Dom Quixote ou não.

Adam Driver se encontra em uma situação bem confusa, o que era para ser uma busca de inspiração para seu novo filme, acaba se tornado uma jornada que mescla realidade com um mundo de fantasia que ele criou em que ele acaba se envolvendo, se tornando o fiel companheiro de Dom Quixote, Sancho Pança.

Os efeitos visuais são bem expositivos e visíveis, mas são pouco usados e acabam não incomodando o espectador, ao contrário dos efeitos práticos, que são bem utilizados.

O filme não chega a ser um marco na carreira de Terry Gilliam, embora seja divertido em vários aspectos, no qual, infelizmente, várias vezes o diretor lembra o público de que se trata apenas de um filme.

NOTA:  7 moinhos de vento (7/10)

Trailer:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …